‘Estamira’ debate violência e saúde mental das mulheres no Casarão 34

Por - em 105

O premiado documentário brasileiro ‘Estamira’, do diretor e produtor Marcos Prado, será exibido no Casarão 34 na próxima quinta-feira (13), às 18h30. A realização do evento é uma iniciativa do Cunhã Coletivo Feminista, em parceria com a Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) e a entidade Para’iwa, com o objetivo de colocar em debate as questões da violência contra a mulher e a saúde mental das cidadãs. A exibição integra as atividades relacionadas ao Dia Internacional da Mulher (8 de março).

A entrada é franca e a exibição do filme será seguida de debate com especialistas na área de cinema, saúde mental e do movimento feminista. No dia 19 deste mês, o filme também será exibido para a comunidade do bairro do Róger, na Casa Pequeno Davi, a partir das 19h.

A história – Estamira, 63 anos, é uma mulher com problemas mentais que trabalha há mais de duas décadas no Aterro Sanitário de Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro. O filme traça um perfil dela, colocando em pauta assuntos como a violência sexual, saúde pública, a vida nos aterros cariocas e a miséria brasileira.

Ela é uma figura muito carismática e respeitada no lixão, mas fala sozinha, ouve vozes e se refere a Deus com os piores palavrões após sofrer estupros, ser traída em dois casamentos, se distanciar da filha mais nova, ser mendiga e alcoólatra.

O documentário foi vencedor de 33 prêmios nacionais e internacionais, entre eles: Festival do Rio (2004) – Melhor Documentário; Mostra Internacional de Cinema em São Paulo (2004) – Melhor Documentário; Festival Internacional de Documentário de Marseille (2005) – Grande Prêmio do FID Marseille; e 4º Festival Internacional de Direitos Humanos de Nuremberg (2005), Grande Prêmio de Cinema de Direitos Humanos.