‘Cine Mulher’ exibe vida e obra de Nísia Floresta, no sábado e domingo

Por - em 30

Duzentos anos após seu nascimento, a vida e a obra da escritora e educadora norte-rio-grandense Nísia Floresta é o destaque da edição especial do programa ‘Cine Mulher’, que vai ao ar na TV Cidade João Pessoa (canal 8 da Big TV), em parceria com o Cunhã – Coletivo Feminista. O vídeo ‘Nísia Floresta – Uma mulher à frente do seu tempo’ será exibido nestes sábado (14) e domingo (15), às 16h40, com reprise às 22h40.

Abolicionista, indianista, nacionalista e precursora dos ideais feministas no Brasil, Nísia Floresta é considerada uma das maiores mentes femininas do século XIX, tendo deixado – além de uma obra literária de grande valor, um legado de luta pela valorização do verdadeiro papel da mulher.

O vídeo – Entre o documentário e a ficção, o vídeo ‘Nísia Floresta – Uma mulher à frente do seu tempo’ mostra um grupo de jovens atrizes que se reúne para encenar no teatro textos da escritora. “Através das protagonistas, somos convidadas a fazer um passeio pela biografia e o pensamento de Nísia Floresta, que serve como ponto de partida para uma reflexão sobre as suas próprias vivências e realidades”, confirmou a apresentadora do ‘Cine Mulher’, Edileide Vilaça.

Militância – Nísia Floresta escrevia sobre a escravidão, o sofrimento do índio, as belezas de seu país e, acima de tudo, sobre a mulher e a opressão vivida pelo sexo feminino. Tudo que escreveu foi mais para defender as causas nas quais ela acreditava do que por aspiração literária.

Sua trajetória foi intensa: nasceu em Papari, no Rio Grande do Norte. Conheceu o grande amor em Olinda, Pernambuco. Ficou viúva em Porto Alegre. E, no Rio de Janeiro, fundou um colégio revolucionário para meninas. O colégio, assim como os livros, era para exercer sua militância. Lutava por uma educação igualitária: às mulheres o conhecimento e não apenas o bordado.

Na Europa, consagrou-se e estabeleceu amizade com grandes intelectuais e residiu em vários países. Morreu na França, em 1885, após 75 anos vividos e 15 obras publicadas, além de incontáveis artigos na imprensa brasileira. Segundo dados do Cunhã, Nísia Floresta inseriu seu nome na história do Brasil e entre vários aspectos sua maior bandeira sempre foi a defesa dos direitos das mulheres.

Nome na história – “O nome de Nísia Floresta pertence, antes de tudo, à história do feminismo no Brasil, ainda que em seu tempo o termo feminista nem sequer fosse utilizado. Assim, falar do legado do pensamento da escritora é falar da trajetória da luta feminina no Brasil. Ela contribuiu, decisivamente, para a formação de uma nova consciência, menos preconceituosa e voltada para o verdadeiro valor da mulher”, falou Gilberta Soares, do Cunhã.

Projeto Memória – O vídeo integra um conjunto de ações do Projeto Memória, uma iniciativa da Fundação Banco do Brasil (FBB) em parceria com a Petrobras e a Rede de Desenvolvimento Humano (Redeh). Em sua décima edição, o projeto busca trazer ao público a vida e a obra de importantes nomes da história brasileira, evidenciando a expressão da identidade cultural do País.