‘Estação’ terá Cátia, Soraia e Escurinho nesta sexta

Por - em 51

O Projeto Estação Nordeste continua o seu leque de atrações, com música para todos os gostos nesta sexta-feira (9), a partir das 20h. Desta vez no palco instalado na Praça Antenor Navarro, no Centro Histórico da Capital, as atrações serão Soraia Bandeira, Cátia de França e Escurinho. O festival, que teve início no dia 3 e prossegue até o final deste mês com shows em diferentes espaços públicos, é promovido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP), através da Fundação Cultural (Funjope).

A primeira atração da noite será a cantora Soraia Bandeira, que está em fase de conclusão do seu CD ‘O Mundo’ e atualmente é integra o grupo Aguaúna, de livre improvisação, que se apresentou recentemente no festival de música instrumental ‘Música do Mundo’, realizado pela Funjope, na praia de Tambaú.

Em sua trajetória artística, a cantora realizou apresentações em diferentes formatos, tendo atuado ao lado de vários grupos e artistas, a exemplo do ‘Quarteto Sol Maior’ e a banda ‘O Homem da Gravata Colorida’, além dos músicos Pedro Osmar, Paulo Ro, Fernando Pintasilgo, Alice Lumi e Ricardo Venerito.

Realizou show na casa Talking Jazz, em São Paulo, em homenagem ao poeta Manoel Bandeira, apresentou-se nas cidades de Patos e Sousa dentre de projeto cultural do Sindfisco, e fez ainda temporadas musicais nos navios ‘Sky Wonder’, ‘Pacific’ e ‘Grand Voyager’, pela ‘Cia. Musical Sobre as Águas’. A artista também desenvolve a oficina ‘Cantar através do Corpo’, já realizada em João Pessoa e São Paulo.

Cantoria – Cátia de França, importante nome da música nordestina, vai apresentar o show ‘A Cantoria de Cátia de França – Um Brasil que canta o Brasil por dentro’. Prestes a completar 62 anos – em 13 de fevereiro – a artista de carreira ininterrupta por mais de 40 anos foi recentemente agraciada com os prêmios ‘Mestre das Artes Canhoto da Paraíba’, em João Pessoa, e ‘Itaú Cultural’, em São Paulo.

Além das composições consagradas na sua própria voz e por intérpretes do quilate de Elba Ramalho, em ‘Kukukaia’, Amelinha e Chico César, em ‘Coito das Araras’, Clementina de Jesus, em ‘Meu boi surubim’ e Xangai, em ‘Antoninha’, a artista também apresentará músicas inéditas de ‘Hóspede da natureza’, seu mais novo CD, com lançamento previsto para este ano. Entre essas letras inéditas estão ‘Brinco de Ouro’, ‘Rogaciano’ e ‘Rio Capibaribe’

A paraibana de verve artística e presença de palco inconfundíveis, promete trazer para o público a originalidade das suas composições e a força poética de autores que permeiam a sua obra, a exemplo de Manoel de Barros, João Cabral de Melo Neto, José Lins do Rego, Guimarães Rosa e Henry David Thoreau.

Escurinho – Percussionista, compositor e cantor, Escurinho se destaca pela sua performance instigante. Assumindo um perfil de ‘guerrilha musical’, o artista atua como uma espécie de porta-voz de caboclos nordestinos, benzedeiras, lendas, batuques, becos, pontes, ruas e veredas tortuosas que permeiam a poesia e a musicalidade. Escurinho traz em sua música uma poesia urbana de caráter social, numa fusão de ritmos que vai do xote ao reggae, do experimentalismo ao rock, do forró ao baião, do caboclinho ao boi de reisado, dos ritmos afros e tribais, do maracatu ao coco de embolada.

O artista, que vivencia a música nordestina desde menino, passou a atuar como músico de forma mais intensa, a partir da década de 70, quando fundou, ao lado do compositor Chico César, o ‘Grupo Ferradura’, que marcou época nos festivais e shows do sertão paraibano. O artista, que é autor dos CD’s ‘Labacé’ (1998) e ‘Malocage’ (2003), lançou em 2005 o DVD ‘Toca Brasil’, gravado ao vivo no Itaú Cultural, tendo criado também, trilhas sonoras para teatro.