‘Estação Nordeste’ exibe Mira Maya, Odecasa e Paulo & Babi, no domingo

Por - em 44

A veia criativa dos compositores paraibanos, traduzida em diversos estilos e diferentes vozes, vai prevalecer nos palcos integrados do projeto Estação Nordeste deste domingo (11). Na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, por volta das 17h, Mira Maya vai mostrar um pouco da proposta do CD ‘Na Mira’, que saiu recentemente do estúdio. Já na Praça do Coqueiral, em Mangabeira, a partir das 19h, se apresenta o grupo Odecasa, fazendo um sincretismo de MPB, Pop e baião. No mesmo local, também cantam os irmãos Paulo e Babi.

Estilos a parte, Mira Maya propõe mesmo é representar o leque criativo da música paraibana, tanto em termos de compositores, como de influências rítmicas. Por isso, no repertório, ela faz questão de incluir a safra local, a exemplo de ‘Garrafa sem mensagens’ (Kennedy Costa) e ‘Esperando o Carnaval’ (Escurinho).

O show de Mira segue adiante também com canções pernambucanas, como ‘Cantor de Botequim’ (Isabela Morais) e ‘Valha-me Deus’ (Cláudio Noah). Mas, ela canta ainda suas próprias inspirações, a exemplo de ‘Me deixe’ e ‘A praça do meio do mundo’.

Mira Maya diz que costuma estudar diferentes estilos de música. Essa postura de receptividade para o “novo” serve de combustível para incorporar ao trabalho uma roupagem eclética. Por isso, ela também visita desde o som internacional, como Alanis Morissette, até o rock nacional, de Rita Lee a Cássia Eller. Para esta apresentação de domingo, o público vai ouvir uma performance com ‘You now I’m not so good’, de Amy Winehouse, que é outra influência mais recente.

“Também costumo ouvir e tenho influências de artistas locais com Milton Dornelas, Grupo Tocaia, Gláucia Lima. Inclusive, a música ‘Juizo Final’, de Jeová de Carvalho, é o grande hit do meu CD ‘Na Mira’. Sempre bem recebido pelo público nos shows”, observou Mira Maya.

Enquanto isso, os integrantes do Odecasa serão uma das atrações da Praça do Coqueiral. Eles costumam dizer que fazem uma mistura entre o acústico Pop, Rock, Folk e o Baião. Todos esses estilos são jogados no caldeirão onde prevalece a MPB. As canções tocadas serão próprias como ‘Azuis’ (Henrique Peixe); ‘Só um pouco’ (Henrique Peixe); ‘Sentir (Henrique Peixe e Daniel Mesquita); ‘Cumadre Fulozina’ (Erivan Araújo e Henrique Peixe); Pai Chão (Makarios Maia e Henrique Peixe), além de outras músicas.

Ainda na praça, os irmãos Paulo e Babi também vão mostrar ao público trabalhos autorais como ‘Acorde de Um Povo’; ‘Fim De Semana’; ‘Decisão’, ‘Mandala’; ‘Por isso Te Chamo Mel’, ‘Morena’, ‘Ponha a Sua Consciência Em Dia’, ‘Água de Côco’, ‘Tô Começando A Gostar De Você’, ‘Enredo Do Quê Será’, entre outras autorais.

Mira Maya – Atualmente, a cantora e compositora está produzindo o primeiro CD de carreira, patrocinado pelo Fundo Municipal de Cultura (FMC) e intitulado ‘Na Mira’. A fase de estúdio já foi concluída. Agora, o próximo passo é enviar o material para prensar e, posteriormente, distribuir e divulgar.

Nesse primeiro CD, Mira Maya apostou nas músicas próprias e, especialmente, nos compositores paraibanos. Porém, o repertório inclui ainda canções de autores pernambucanos.

Odecasa – Com Henrique Peixe (voz e violão de doze cordas); Daniel Mesquita (violão e voz); Sheine Ataíde (baixo e voz); e Júnior Punk ((bateria), o grupo Odecasa interpreta as próprias composições, sem perder de vista o sincretismo com a brasilidade musical. Nesse ponto, entra em cena as influências da harmonia e ritmo regionais.

No repertório do Odecasa deste domingo, 11, estão músicas autorais que vão fazer parte no novo CD do grupo. O título do trabalho está em fase de definição e ainda não há data exata para ser lançado. As canções foram gravadas em Viêna (Áutria) à convite da Home-music. A banda está negociando o lançamento independente do álbum no Brasil.

Paulo e Babi – O pessoense Paulo Paiva começou a carreira como músico em 1973. Atuou como instrumentista em conjuntos de baile e fez diversas parcerias com o irmão Babi. Juntos se apresentaram em vários shows coletivos e festivais.

Paulo Paiva já subiu ao palco com artistas como Hugo Leão, Pedro Osmar, Jorge Negão, Jairo Mozart, Fernando Farias da “Flauta”, Cacá Ribeiro, Paulo Batera, Cacá Santa Cruz, Dida Fialho, Paulo Ro, Zewágner Oliveira, Nódge Andrade, João Jaguaribe e tantos outros nomes da musicalidade paraibana e brasileira.

Para Paulo, é importante ter uma visão universal da música. Isso, aliada à experiência na área, foi o fio condutor do trabalho como compositor. Entre as canções de autoria do artista estão ‘Acorde de Um Povo’; ‘Fim De Semana’; ‘Decisão’, ‘Mandala’.

Abelardo Cavalcanti de Paiva, o Babi, também é de João pessoa e desde 1971 é músico instrumentista. Como o irmão, participou de vários conjuntos de baile e shows. Acompanhou todo o movimento da MPB. Em 1974, começou a ser letrista. As músicas autorais foram mostradas ao público a partir de 1978.

Ao longo da carreira, Babi participou da gravação do LP ‘Estilhaços’, de Cátia de França, e também fez parte, como baixista, do álbum de Livardo Alves e Cachimbinho, intitulado ‘Com Muito Amor e Pimenta’. Desenvolveu ainda trabalhos com Zé Ramalho. Entre as canções autorais está ‘Por isso Te Chamo Mel’, ‘Morena’, ‘Ponha a Sua Consciência Em Dia’, ‘Água de Côco’, ‘Tô Começando A Gostar De Você’, ‘Enredo Do Quê Será’.