‘Novos Escritos’: mais duas obras da coleção serão lançadas, nesta quinta

Por - em 34

Os escritores Roberto Menezes, autor do romance ‘Pirilampos Cegos’, e Lúcia Wanderley, autora do livro de poesias ‘Mergulho’, farão o lançamento de suas obras nesta quinta-feira (5), a partir das 18h, no Teatro Ednaldo do Egypto, onde funciona o Centro de Arte e Cultura Municipal (Cacum). As publicações integram a ‘Coleção Novos Escritos’, organizada pela Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope). Os interessados podem adquirir os livros no local, onde haverá uma sessão de autógrafos. O evento tem apoio de divulgação da Funjope.

A paraibana Maria Lúcia Wanderley é natural da cidade de Espinharas e mora na Capital desde 1979. A autora, que começou a escrever aos 14 anos, tem uma grande influência de tempos vivenciados na infância, quando conviveu no campo e teve a oportunidade de contato com os elementos da natureza. Tal influência se reflete na sua poesia, onde já nos títulos de algumas obras isso pode ser identificado, a exemplo de ‘Águas Caladas’ e ‘Íris no Arco’, além do próprio ‘Mergulho’.

Na escrita, a poeta traz influência da literatura de Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Augusto dos Anjos, Machado de Assis, Graciliano Ramos, Pablo Neruda, Herman Hesse, até a música de Chico Buarque, Raul Seixas e o estilo erudito.

Já o pernambucano Roberto Menezes da Silva reside na vizinha cidade de Santa Rita desde a sua infância. O autor escreve desde os 16 anos, vagueando entre a poesia e a prosa, já tendo escrito uma grande quantidade de contos. Menezes possui uma característica que é o uso de elementos de poesia na prosa. Seu romance de estréia, ‘Pirilampos Cegos’, tem personagens fortes e marcantes, e mostra fielmente o estilo do escritor.

O livro é um romance curto sobre dois personagens que se encontram em momentos inusitados de suas vidas. Segundo ele, “Pirilampos é direto, aborda temas perturbadores de maneira original. O encontro entre Laura, moça presa ao ciclo, e Jorge, homem pela metade, faz-nos pensar sobre o que perdemos e o que não conseguimos conquistar”.