‘Oitavas do Choro’ é a atração do sábado na praça Rio Branco

Por - em 37

Final de semana se aproxima e o pessoense já sabe que tem um encontro marcado na Praça Rio Branco, no Centro da Capital. Neste sábado (12), a partir das 12h, o ‘Sabadinho Bom’ vai levar ao público a musicalidade de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Sivuca, Paulinho da Viola, entre outros compositores, revisados nos acordes do grupo Oitavas no Choro. A realização é da Prefeitura Municipal de João Pessoa, através da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

O Oitavas do Choro já se apresentou várias vezes no projeto ‘Sabadinho Bom’, que tem cerca de três meses de existência. Para o músico e flautista do grupo, Cornélio Santana, a iniciativa tem bom acolhimento da sociedade. “É mais uma opção de lazer gratuito no centro da cidade, em um calendário cultural que está se fixando e há de permanecer”, afirmou. “Principalmente nesse estilo instrumental de choro, não tínhamos antes um espaço fixo para as nossas apresentações. Agora, o público presente aumenta ainda mais a cada show. Até turista tem aparecido”, acrescentou.

Amparados pelas sombras das copas das árvores que tomam toda a praça Rio Branco, o Oitavas no Choro vai apresentar um repertório que passeia por clássicos do chorinho brasileiro. “Naquele tempo” (Pixinguinha), “Vibrações” (Jacob do Bandolim), “Homenagem à Velha Guarda” (Sivuca”), além de “Coração Leviano” e “Timoneiro”, essas duas últimas de Paulinho da Viola, estão entre os exemplos de músicas que serão executadas nesse ‘Sabadinho Bom’.

A ideia de formar o Oitavas no Choro nasceu em João Pessoa, em 2009, durante reencontro de alguns amigos. A partir daí, os integrantes já se apresentaram em vários locais da cidade, mostrando um repertório mesclado de sambas, maxixes, choros-canções e outros ritmos. O objetivo é traduzir a beleza da genuína música nacional, incluindo as produções paraibanas.

O grupo é formado por Cornélio Santana (diretor musical e flautista), João Maria (violão de sete cordas), Medeiros (cavaquinho), Francinete (vocalista) e Mel (pandeiro). O nome Oitavas no Choro faz alusão a um dos intervalos musicais que ilustram com tanto brilho as partituras do choro brasileiro. Há ainda referência aos dinâmicos e complexos desenhos melódicos do estilo.