“Eu sou o Servo” e o “Quinze”são exibidos na Estação Cabo Branco

Por - em 36

Os filmes paraibanos “Eu Sou o Servo” e “O Quinze” serão exibidos neste domingo (6), a partir das 18h30, no anfiteatro da Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Arte, localizada no Altiplano Cabo Branco. A entrada é aberta ao público de todas as idades. A exibição de filmes paraibanos integra o projeto “Cine Latitude 7”, que é resultado de uma parceria entre a Estação Cabo Branco com a ONG Para´iwa Coletivo de Assessoria e Documentação, com apoio da TV Cabo Branco.

“Cine Latitude 7” é um projeto tem o objetivo de exibir as produções audiovisuais de curtas e longas metragens da Paraíba, bem como as obras cinematográficas nacionais, buscando a formação de plateia e a difusão do cinema brasileiro no Estado, priorizando as produções paraibana e a nacional.

A chefe da Divisão de Programação e Eventos da Estação Cabo Branco, Glaucia Azevedo, disse que o “Latitude 7” é mais uma programação que a Estação Cabo Branco está oferecendo para o público visitante com a finalidade de fomentar e difundir a cultura e as artes. Para Glaucia, é uma oportunidade de oferecer às pessoas que não têm acesso aos cinemas e outros espaços culturais de conhecer o que há de melhor na produção cinematográfica local e nacional.

Filmes – Quem abre a primeira sessão é o curta “Eu sou o servo” (35mm, 2001, cor, ficção), do diretor paraibano Eliezer Rolim, produção executiva de Durval Leal Filho e direção de fotografia de Dib Lufti e roteiro de Hilton Lacerda. No elenco estão os atores Everaldo Pontes, Buda Lira e Orlando Vieira.

A obra ficcional conta a história do padre Ibiapina, também conhecido como “O Apóstolo do Nordeste”, que após 30 anos de peregrinação por várias partes do mundo, se encontra paralítico, com fortes crises de asma e constantes delírios. A história do padre é contada por um narrador, seu beato mais fervoroso de nome Inácio.

Padre José Antônio Pereira Ibiapina era um homem culto, filho de Francisco Miguel Pereira e Teresa Maria. Formou-se em Direito, ocupou cargos na magistratura e na Câmara dos Deputados. Decepcionado, abandonou a vida civil para seguir o catolicismo. Começou sua obra missionária aos 47 anos, visitando várias regiões do Nordeste, erguendo inúmeras casas de caridade, igrejas, capelas, cemitérios, cacimbas d’água, açudes e outras obras em quase todas as cidades do interior.

A segunda sessão será exibido o longa-metragem “O Quinze” (100 min, 2005), filme baseado na obra homônima da escritora Rachel de Queiroz que conta a história de uma jovem professora (Conceição), que trabalha em Fortaleza (CE) e vai passar férias na casa da avó, no município de Quixadá (CE). No local, além de sobreviver ao flagelo da seca, se envolve com o primo fazendeiro Vicente. A mãe de Conceição (Inácia) temendo a seca embarca a jovem para a Capital.

Conceição e Vicente são padrinhos do filho mais novo do vaqueiro Chico Bento, da fazenda de Dona Marocas. No momento de grande aflição, Chico Bento recebe ordem de se retirar da fazenda com a mulher (Cordulina), a cunhada (Mocinha) e quatro filhos menores.

Chico Bento negocia com o compadre Vicente sua pequena criação: um garrote, uma novilha e um boi manso; por uma burra velha e um restante em dinheiro. Depois tenta obter passagens no trem para Fortaleza mais não consegue e como o dinheiro só deu pra pagar as contas o único meio que lhe resta é se retirar a pé. Então, jogam os trastes sobre a burra e ganham a estrada, com destino à Fortaleza. No caminho a família vai sendo reduzida – o cachorro desaparece; depois a cunhada fica trabalhando numa pensão de beira de estrada e ao ser despedida tenta continuar a viagem mais é estuprada em um vagão de trem; Josias, um dos filhos, morre envenenado com mandioca-braba; a burra é vendida por quase nada e Pedro, o filho mais velho, foge sem deixar rastro.

Depois de tanto sofrimento chegam à Fortaleza e são jogados no Curral da Fome (uma espécie de Campo de Concentração), onde as autoridades despejam e mantém os flagelados sob força policial. Vicente viaja para a Capital e faz uma visita à Conceição, os dois se desentendem. Vicente compra ração para o gado e retorna à fazenda. Conceição, além de lecionar, também auxilia no socorro aos flagelados da seca e entre eles encontra Chico Bento e o que restou de sua família. Depois de ajudar o compadre a se acomodar melhor naquele mundo de miséria, Conceição pede a Duquinha para adotar, e como o menino está muito doente em conseqüência da grande caminhada, Chico Bento e Cordulina resolvem entregar o filho à madrinha.

Chico Bento revela seu desejo de ir trabalhar nos seringais da Amazonas. Mas, Conceição convence o compadre a mudar de ideia e ir para São Paulo, onde tem muito serviço e um clima sadio. O ano seguinte começa com muita chuva, tanto no litoral como no sertão. Mãe Inácia retorna à fazenda no Quixadá. Vicente salva seu gado e tudo volta ao normal. Algum tempo depois Conceição, novamente de férias, vai ao Quixadá e encontra Vicente. Mais seus destinos já não mais se cruzam.

No elenco estão os atores Jurandir Oliveira (Chico Bento), a paraibana Soia Lira (Cordulina), Karina Barum (Conceição), Juan Alba (Vicente) e Maria Fernanda Meirelles (Mãe Inácia), e ainda Carry Costa, Vívian Duarte, Fernanda Garcez, Marisa Maia e Haroldo Serra. A direção e o roteiro de Jurandir Oliveira, produção executiva Letícia Menescal. “O Quinze” revela muitas curiosidades entre o autor e a escritora.

Recebeu o Kikito de Ouro de Melhor Edição, no Festival de Gramado (2004), ganhou os prêmios de Melhor Ator (Jurandir Oliveira), Melhor Atriz (Sôia Lira), Prêmio Especial Longa-Metragem de Crítica e de Melhor Produção em Longa-Metragem – Associação dos Produtores e Cineastas do Norte e Nordeste, no Cine Ceará. Além dos prêmios de Melhor Diretor, Melhor Som e Melhor Edição, no Festicine Goiânia.

Serviço:

Projeto Cine Latitude 7

Exibições: Eu sou o servo (Eliezer Rolim) e O Quinze (Jurandir Oliveira).
Local: Anfiteatro da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Arte – Avenida João Cirilo Silva, s/n, Altiplano Cabo Branco.
Domingo (6)
Horário: 18h30
Entrada: Gratuita
Informações: 3214.8303/8270
Email: ecbartes@joaopessoa.pb.gov.br