‘Sabadinho Bom’ traz show de Henrique Cazes para Praça Rio Branco

Por - em 43

Considerado o melhor solista de cavaquinho e um dos mais ativos músicos de Choro do País, o carioca Henrique Cazes, será a atração do ‘Sabadinho Bom’ de 1º de outubro. O músico se apresenta a partir das 12h, na Praça Rio Branco, no Centro Histórico da capital. A realização do projeto, que leva músicas do gênero ao local todos os finais de semana, é da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

Quem for ao ‘Sabadinho Bom’ deste sábado poderá ouvir um repertório regado a nomes respeitados da música nacional. Só como exemplos estão as obras do músico e compositor carioca Waldir Azevedo (1923-1980), mestre do cavaquinho e autor do choro “Brasileirinho”. Dele, Henrique Cazes vai apresentar “Delicado”, “Pedacinhos do Céu”, “Carioquinha”, “Mágoas de Cavaquinho” e “Vê se Gostas” – sendo esta última assinada também por Otaviano Pitanga.

Outros mestres nacionais também serão lembrados, como Pixinguinha (“Passatempo”, “Segura ele”, “Cochichando”, “Oito Batutas” e “Um a zero”; e Garoto, falecido em 1955 (“Puxa puxa” e “Lamentos de Morro”). Haverá espaço ainda para interpretações no cavaquinho de músicas internacionais – “Blackbird” e “Day Tripper” , de John Lennon (1940-1980) e Paul McCartney.

Henrique Cazes tem dirigido seu trabalho no sentido de reforçar o lado compositor, tanto de música instrumental como de sambas letrados. Para isso, suas músicas são assinadas sob o pseudônimo “Jota Canalha”. Por sinal, as composições autorais também estarão no repertório deste show que o músico faz em João Pessoa – “Estudos nº 6 e nº 7” e “Real Grandeza”. Vão acompanhar o artista no ‘Sabadinho Bom’ Beto Cazes (percussão), Marcello Gonçalves (violão de sete cordas) e Omar Cavalheiro (contrabaixo).

Além de fazer carreira como músico, desde 1984 Henrique Cazes atua como produtor de discos em várias áreas a exemplo do samba, instrumental, clássicos e infantil. Ele já acumulou prêmios no Brasil, Europa (Alemanha e Inglaterra) e Japão. Como produtor e arranjador também realizou projetos objetivando o alargamento das fronteiras do choro. Entre eles é destaque o “Bach in Brazil” (EMI Classics 1999) e a série de quatro CDs “Beatles n’Choro” (Deckdisc 2002-2004).