Abertura do Fest Aruanda movimenta cena cultural de João Pessoa

Por - em 30

Centenas de pessoas, entre autoridades, estudantes, cineastas e cinéfilos lotaram o Auditório do Tropical Hotel Tambaú, na noite desta segunda-feira (7), durante a cerimônia de abertura do V Fest-Aruanda do Audiovisual Universitário Brasileiro. A noite, marcada pela emoção do filme ‘Lula, o Filho do Brasil’, de Fábio Barreto, contou ainda com homenagens a personalidades e a pré-estreia nacional do Longa-metragem ‘Kohbac – A maldição da câmera vermelha’, uma produção do Neppau dirigido pelo coordenador geral do Fest Aruanda, Lúcio Vilar. 

O prefeito Ricardo Coutinho, presente na cerimônia, ressaltou a importância da capital ter um evento que vem se consolidando a cada ano, com um público crescente e uma produção cada vez maior, além do aumento no número de exibições.  Ricardo pontuou ainda, algumas ações da gestão municipal, no sentido e fomento à cultura. “Há 5 anos, o Fundo Municipal de Cultura vem lançando edital e financiando as diversas expressões artísticas, e o que é melhor, pagando cada edital antes de lançar o próximo. A partir do mês de fevereiro próximo, João Pessoa vai ganhar a sua primeira Escola Municipal de Artes, que será coordenada pelo grande artista paraibano, meu companheiro Luiz Carlos Vasconcelos, um empreendimento onde vamos com certeza, revelar grandes talentos, além da implementação de dois cineclubes”. Ricardo Coutinho encerrou a sua fala, desejando vida longa ao Aruanda. 

O coordenador do Festival, professor Lúcio Vilar, da UFPB, enfatizou o grande número de presentes à cerimônia, ressaltando que nenhuma edição anterior tinha atingido aquela participação de pessoas das mais diversas áreas. 

‘Lula, o Filho do Brasil’ – O filme que conta a história do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e só deve chegar aos cinemas de todo o país em janeiro de 2010, foi inspirado no romance homônimo da jornalista Denise Paraná.  
‘Kohbac – A maldição da câmera vermelha’ – o filme é uma produção do Neppau dirigido pelo coordenador do Fest Aruanda, Lúcio Vilar, que mostra a história de uma câmera de vídeo adquirida pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) através do professor e cineasta Linduarte Noronha, e que teve seu uso proibido pela ditadura militar. 

Durante uma semana os paraibanos vão conferir 80 horas de projeção de filmes e vídeos com o que há de mais novo e representativo da produção audiovisual brasileira. O evento será realizado até o dia 12, no Tropical Hotel Tambaú, em João Pessoa, numa realização do Departamento de Comunicação e Turismo (Decom-Tur), com apoio da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP). 

O Festival – Com o objetivo de fomentar, reconhecer e contemplar os novos talentos e futuros profissionais da área do audiovisual no circuito universitário estadual, regional e nacional, o Fest-Aruanda também coloca João Pessoa, a capital da Paraíba, em destaque no circuito do cinema universitário nacional.  A ideia de organização do festival surgiu após o sucesso de iniciativa semelhante, realizada em 2003, com o Prêmio Rodrigo Rocha de Vídeo Universitário.

O sucesso da iniciativa foi o embrião para a realização deste Festival, sendo instituída a premiação Troféu Aruanda e Troféu Rodrigo Rocha de vídeo documentário, uma homenagem ao jornalista e videasta paraibano, morto em 1996 quando participava de uma produção cinematográfica. O V Festival Aruanda do Audiovisual Brasileiro é aberto à participação de estudantes universitários de todo o país, representando a mais nova vitrine do audiovisual universitário brasileiro.