Ação combate proliferação do mosquito da dengue no Roger

Por - em 31

A ocorrência de chuvas na Capital levou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) a colocar agentes comunitários nas ruas de bairros de João Pessoa, realizando ação contra a proliferação do mosquito da dengue. A doença está controlada em João Pessoa, mas a atenção deve ser redobrada neste período em que ocorrem chuvas e a incidência de calor ainda é grande. De acordo com a Vigilância Epidemiológica, esta é a época mais propícia a reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. A SMS contou ainda com o apoio da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) na atividade.

A ação aconteceu no Bairro do Roger, onde agentes de saúde distribuíram panfletos, repassaram informações e tiraram dúvidas dos moradores sobre as formas de contágio e tratamento da dengue. De acordo com Jaqueline Mota, apoiadora do Distrito Sanitário IV, órgão responsável pela região, as principais dúvidas dos moradores são a respeito da resistência do mosquito e em quanto tempo acontece o ciclo do mosquito. “É importante saber essas informações para prevenir a proliferação da doença. A gente sempre explica que o mosquito resiste até um ano sem a presença de água e que ele tem o ciclo de 5 a 10 dias, período em que pode fecundar mais de 300 ovos. Por isso, todo cuidado é pouco”, explica.

Fiscais da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) também participaram da ação, recolhendo lixo ou recipientes capazes de contribuir para a reprodução do Aedes aegypti. Outra preocupação da Secretaria é a dengue hemorrágica, pois com a disseminação do mosquito há um risco maior da pessoa se infectar por mais de um vírus e desenvolver a doença em seu estágio mais crítico.

A doença ocorre quando alguém se contamina com o vírus da dengue mais de uma vez. A ação é necessária para garantir que a população se esforce e não deixe o mosquito se proliferar. E isso está surtindo efeitos, pois o número de casos confirmados de dengue em João Pessoa no primeiro trimestre de 2009 foi menor 93,21% do que no mesmo período de 2008.