Acordo Verde: agentes já visitaram 5 mil residências

Por - em 32

Depois de dez dias de atividades, os agentes ambientais (catadores) e os estagiários que trabalham com o “Acordo Verde” – projeto que está implantando a coleta seletiva nos bairros de Mangabeira, Bancários, Jardim Cidade Universitária, Anatólia e Jardim São Paulo, em João Pessoa – já visitaram cinco mil casas. A aceitação dos moradores da área ao projeto, que já chega a 95%, está superando as expectativas da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur).

O diretor Administrativo-financeiro da Emlur, Coriolano Coutinho, contou que, do total de residências visitadas, 25% estavam fechadas. “Das que estavam abertas a adesão dos moradores ao ‘Acordo Verde’ chegou a 95%. A rejeição foi de apenas 5%, que é considerado um percentual muito baixo”, disse lembrando que essas casas que foram encontradas fechadas voltarão a ser visitadas.

Nesse período, os 30 agentes ambientais envolvidos no projeto já conseguiram tirar o sua primeiro renda. Eles coletaram 3.800 quilos de material reciclável, que foi vendido e que gerou um lucro de R$ 53 para cada um. “A renda ainda não está dentro da nossa meta que é de cerca de R$ 90 por semana. Mesmo assim, a quantia foi satisfatória, uma vez que, além da coleta, os agentes estão fazendo visitas aos moradores, explicando como funciona o projeto. A meta é atingir 20 mil residências nos cinco bairros.

Os agentes ambientais, conforme destacou a superintendente da Emlur, Laura Farias Gualberto, estão recebendo nesse período de implantação do projeto uma cesta básica, como complemento da renda. “Nesse momento, estamos dando essa ajuda, mas no próximo mês isso não será mais necessário, uma vez que eles certamente chegarão à renda mensal esperada, que será de mais de um salário mínimo”, comentou. Ela lembra que os cinco bairros juntos tem um potencial de produzir 270 mil quilos de material reciclável todos os meses. “Se os moradores colaborarem, os agentes ambientais poderão ter uma renda mensal fixa”, destacou.

A implantação da coleta seletiva nos cinco bairros está sendo realizada por etapas. Nesse primeiro momento, os moradores dessas áreas estão recebendo a visita dos estagiários e dos agentes ambientais. Eles estão percorrendo todas as casas explicando o que é o ‘Acordo Verde’ e pedindo para que todos façam a adesão e se comprometam a fazer a separação dos resíduos. Todo o material que for recolhido pelos agentes nessas localidades será levado para o núcleo de coleta seletiva, localizado no Jardim Cidade Universitária, e, posteriormente, vendido.

Para participar dessa etapa da coleta seletiva, a população só precisa fazer a separação do lixo úmido do seco (vidro, metal, papel e plástico) e doar o material reciclável. “O agente ambiental, por sua vez, também terá suas atribuições. Ele tem o compromisso de fazer o recolhimento e entregar o ‘saco verde’ para que o morador continue fazendo a separação dos resíduos”, destacou Laura Farias Gualberto. Ela contou ainda que nessa etapa de implantação da coleta será firmado um acordo simbólico entre o agente e a população.

“Todos os dias recebemos ligações de moradores da área perguntando quando serão visitados. A aceitação ao ‘Acordo Verde’ está sendo muito boa, devido à preocupação com a preservação do meio ambiente e a geração de renda para os agentes ambientais. O projeto é pioneiro e a nossa meta é levá-lo para outros bairros da cidade”, revelou Coriolano Coutinho. João Pessoa dispõe de quatro núcleos de coleta seletiva que juntos atendem 19 bairros e fornecem renda para a família de 327 agentes ambientais.