Alunos do curso de permacultura visitam viveiro neste sábado

Por - em 33

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria do Meio Ambiente (Semam), dá continuidade neste sábado (12) às aulas do ‘I Curso básico de designer e permacultura’. O curso consiste em repassar a técnica da tecnologia social, associada à qualidade de vida e responsabilidade ecológica. Cerca de 50 pessoas estão participando da capacitação, que está na terceira semana de aulas e se encerra no dia 03 de julho.

Fernanda Tavares, chefe de secretaria da Seman, explicou que no módulo a ser trabalhado neste sábado os alunos vão visitar o Viveiro Municipal, que funciona no bairro do Valentina, onde terão conhecimento sobre melipolicultura e agrofloresta. “Este é o terceiro módulo do curso, ministrado sempre nos fins de semana. Neste domingo, em parceria com a ONG SOS Rio Cuiá, vamos visitar a comunidade Santa Bárbara, também no Valentina Figueiredo. No local, vamos aprender técnicas de plantio”, informou Fernanda.

O curso tem técnicos da Secretaria do Meio Ambiente como instrutores. A equipe da Semam também participa de algumas aulas como alunos, já que foram disponibilizadas para eles 10 vagas. As outras 40 foram distribuídas da seguinte forma: 10 para servidores públicos; 10 para estudantes; cinco para membros do Orçamento Democrático (OD); cinco para representantes de movimentos sociais e entidades sem fins lucrativos, cinco vagas para pessoas desempregadas e outras cinco para agentes de saúde.

As aulas teóricas e práticas serão ministradas durante cinco fins de semana (sábado e domingo), das 8 às 18h, no Parque Arruda Câmara, no bairro do Róger. O curso tem carga horária total de 72 horas e, ao término, todos os participantes recebem certificados. Entre as disciplinas trabalhadas nas aulas estão: bioconstrução e construções sustentáveis; trilha ecopedagógica; geotinta (tinta ecológica à base de terra), prática reboco de solo cimento, entre outras.

A técnica super adobe, que é trabalhada pela rede permacultura, foi criada por Nader Khalili e ganhou notoriedade em 1984. A super adobe traz conforto interno e evita grandes extorsões ao meio ambiente na hora de construir. É uma técnica simples, que não necessita de mão-de-obra especializada, sendo também uma ótima opção para a construção de residências populares. Ela utiliza sacos de propileno preenchidos com a terra, que são sobrepostos e moldam o formato das paredes e da cobertura.