Análise gravimétrica do lixo de JP pretende aprimorar serviços da Emlur

Por - em 183

Com o objetivo de traçar um plano de gestão mais eficiente para os resíduos sólidos na Capital, a Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) iniciou o processo de mapeamento da produção de lixo da cidade. O trabalho está sendo realizado em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e com a empresa ‘Rumos Construções Ambiental’, utilizando a metodologia de análise gravimétrica a partir de amostras recolhidas no Aterro Sanitário Metropolitano.

Esta ação irá possibilitar a obtenção de dados relativos ao quantitativo de resíduos gerados a partir das variáveis: região, habitantes e espécie (orgânico, vidro, papel, entre outros). Com este subsídio, a Emlur pretende aprimorar os serviços oferecidos à população, tanto da coleta regular como da coleta seletiva. As informações poderão indicar, por exemplo, a eficácia da coleta seletiva em determinado bairro através do número de materiais potencialmente recicláveis advindos da coleta domiciliar naquela região.

Responsável pela atuação da UFPB, o professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Joácio Morais Júnior, ressaltou que, além da importância para a gestão do lixo por parte da Emlur, a Universidade também será beneficiada com a obtenção destes dados. “Com a realização deste projeto de gravimetria será possível obter um amplo material de dados que revelará informações sobre os tipos de lixo produzidos pelo pessoense. Esses dados poderão servir de base para publicações e estudos relacionados à coleta seletiva, educação ambiental e temas relativos”, afirmou Joácio, que possui o título de doutor em resíduos sólidos.

Gravimetria – O procedimento de análise gravimétrica está sendo realizado a partir da avaliação de amostras do que é coletado nos bairros da capital, oferecendo dados quanto à quantidade de lixo produzido por região, por pessoa e por tipo de resíduo.

Para a ação realizada no Aterro Sanitário Metropolitano, estão sendo estudados resíduos provenientes de 40 bairros de João Pessoa. Cada montante originado dessas regiões passa por um processo de divisão e uma parcela de 25% é tomada para análise. Só então, com esta amostra, que se inicia a etapa de triagem, onde o lixo é separado, pesado e catalogado. Esses números, por sua vez, são usados para projetar um mapeamento da cidade inteira por meio de cálculos estatísticos.

A análise gravimétrica do lixo produzido em João Pessoa conta com duas etapas: a que está sendo realizada agora e corresponde ao período do inverno; e a outra que será repetida durante o verão. Ambas as fases se estenderão por 15 dias de avaliação e terão seus resultados somados para a composição de um relatóri