Banco de Leite da Cândida Vargas busca mais doações

Por - em 351

De acordo com dados do Ministério da Saúde, o número de doadoras de leite materno aumentou 83% em cinco anos: no ano passadeo 110.648 mulheres foram aos postos de coleta contra 60.441 em 2003. Em João Pessoa, o Banco de Leite do Instituto Cândida Vargas recebeu em setembro cerca de 200 litros de leite oriundo das doações internas e externas. Essa quantidade é suficiente para suprir a demanda interna e auxiliar outros bancos de leite em casos de necessidade. De acordo com a psicóloga da maternidade, Abigail Lopes, apesar do estoque atual ser considerado aceitável, é preciso intensificar as campanhas para que o número de doações não diminua.

“Quando as mães param de amamentar, perdemos também uma doadora, então estamos sempre correndo atrás de novas doações”, afirmou a psicóloga. Segundo a coordenadora do banco de leite da unidade, Mara Rúbia , esse aumento é resultado das campanhas de doação realizadas pelo Ministério da Saúde através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). “Muitas vezes, as mães que produzem leite em excesso, não sabem que podem doar”, afirmou a coordenadora, lembrando que nas feiras realizadas nos bairros pela Secretaria Municipal de Saúde, existe um espaço destinado às palestras e orientações sobre amamentação, e isso tem ajudado bastante a manter o estoque. Atualmente, existem na unidade 123 doadoras, sendo 78 internas e 45 externas.

Outro fator que precisa ser ressaltado é o trabalho de conscientização que vem sendo realizado internamente a respeito da utilização adequada desse leite. “O leite materno estocado deve ser usado como remédio, e não como alimento, por isso é preciso que tenhamos um controle rigoroso do nosso estoque”, afirmou Mara Rúbia.

Os bancos de leite humano têm como missão incentivar, proteger e promover o aleitamento materno para diminuir os índices de mortalidade infantil e melhorar a qualidade de vida dos bebês, nos casos em que a própria mãe não pode amamentá-los. O Instituto Cândida Vargas é hoje uma referência na UTI Neo Natal, e no Projeto Mãe Canguru, que trata exatamente do público que mais necessita do leite doado: bebês prematuros e de alto risco. No mês passado, foram realizados 700 partos na unidade, e desses, 38 bebês foram atendidos pelo banco de leite. 

Para ser uma doadora da Maternidade Cândida Vargas, é necessário antes de tudo haver excesso na produção de leite materno e disponibilidade em doá-lo. Em seguida, as mães precisam fazer um cadastro na Unidade, em que informam seu quadro clínico e o eventual uso de medicamentos.  O leite humano doado só é utilizado após passar por um processo que envolve seleção, classificação e pasteurização. Para maiores informações, o telefone do Banco de Leite do Instituto Cândida Vargas é 3015.1555.