Bandas Eddie e Cabruêra são atrações da Festa das Neves desta segunda

Por - em 78

A sonoridade groove e a reinvenção de ritmos da música urbana brasileira são marcas da Banda Eddie, de Olinda. O grupo faz show nesta segunda-feira (1º), no Ponto de Cem Réis, dentro da programação da Festa das Neves 2011. Na mesma noite, o Cabruêra se apresenta com suas nuances que vão do cancioneiro popular até o som eletrônico. Mas as comemorações de aniversário da cidade começam antes, com o ‘Brincantes Brasileiros na Paraíba’, a partir das 19h, reunindo o Coco do Galo Preto, de Pernambuco, além das manifestações paraibanas Babau do Mestre Clébio, Lapinha São Sebastião e Coco do Mestre Benedito. A realização é da Prefeitura de João Pessoa, por meio de sua Fundação Cultural (Funjope).

O último CD da Banda Eddie, “Carnaval no Inferno” (2008), será a base do show que o grupo fará em João Pessoa. O disco é uma síntese de tudo que a banda olindense viveu durante mais de 20 anos de existência. Esse quarto trabalho reforça a musicalidade dos integrantes, inspirada pelo entusiasmo das festas populares de rua.

As composições do álbum revelam um lado menos extrovertido da Eddie. Isso pode ser percebido nas faixas “Quase não Sobra” (parceria de Fábio Trummer e Junio Barreto), “Gafieira no Avenida” (Jorge du Peixe e Lúcio Maia, que integra a trilha sonora do filme “Amarelo Manga”) e “Nada de Novo” (homenagem de Fábio Trummer à Rafa, flautista da banda Mombojó, falecido em 2007).

Ao mesmo tempo, o show da capital paraibana vai levar ao público as conhecidas levadas festeiras da Eddie. São frevos infernais como “Bairro Novo/Casa Caiada” e “Me diga o que não foi legal” (ambas de Fábio Trummer), além da gafieira “O Baile (Betinha)” (Erasto Vasconcelos), que é um clássico dos salões das noites pernambucanas.

De 1989 até hoje, a Banda Eddie já se propagou em turnês pelo Brasil e Europa, em 2005, 2006 e 2007. Ao todo são quatro registros em discos, sendo os três primeiros “Sonic Mambo” (1998), “Original Olinda Style” (2002) e “Metropolitano” (2006). Depois de várias formações, o grupo é composto atualmente por Fábio Trummer (guitarra e voz), Urêa (percussão e voz), Andret (trompetes, teclados e samplers), Kiko (bateria) e Rob (baixo), contando sempre com a parceria especial de Erasto Vasconcelos.

Cabruêra – O repertório do grupo paraibano Cabruêra para a Festa das Neves 2011 vai incluir músicas do último CD “Visagem” (2010). Entre elas estão “Passarada”, “Pisa Morena”, “A Pisada”, “Doce de Coco” e a canção que dá título ao álbum. Todas são de autoria de Arthur Pessoa, Edy Gonzaga, Leo Marinho e Pablo Ramires.

Para Arthur Pessoa, que faz voz, violão e escaleta nas apresentações do Cabruêra, o show da Festa das Neves será uma importante oportunidade para a banda reencontrar o seu público. “Já que temos feito muito mais shows fora do Estado. Além disso, é um evento de rua e gratuito, tradicional do calendário da cidade e que tem melhorado a sua programação a cada ano”, ressaltou.

Atualmente, o Cabruêra está em estúdio gravando o quinto CD. “Então, além das músicas do ultimo álbum ‘Visagem’, também mostraremos algumas coisas desse novo trabalho. Na próxima semana, estaremos cumprindo uma agenda de shows em São Paulo, incluindo a gravação do DVD pelo programa Rumos Música, do Itaú Cultural”, comentou Arthur.

O grupo paraibano está há mais de 13 anos na estrada, tocando para plateias dos mais diferentes idiomas, com passagens por importantes festivais do Brasil e da Europa. Formada por alunos da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), do campus de Campina Grande, a banda reúne quatro músicos com influências distintas e já gravou os CDs “Cabruêra” (2000), “Samba da Minha Terra” (2004), “Sons da Paraíba” (2005) e “Visagem” (2010). Os integrantes atuais são Arthur Pessoa (voz, violão e escaleta), Pablo Ramires (bateria), Edy Gonzaga (baixo) e Leo Marinho (guitarra), que contam com participações especiais de Mib (trombone) e João Henrique (trompete).

Babau do Mestre Clébio – A palavra babau, no Brejo paraibano, é o nome dado pelas crianças a qualquer boneco “animado”. Mestre Cléber aprendeu o ofício assistindo outros brincantes fazendo a dança. Mas ele começou a sua própria apresentação com o irmão, o Mestre Clóvis, ainda em 1984.

Depois, em um período que o irmão passou em São Paulo, Mestre Clébio continuou sozinho com sua brincadeira na Paraíba. Em 2000, juntos novamente, ele acrescentou à manifestação um boneco ventríloquo para evitar que as apresentações ficassem monótonas, já que ambos faziam antes a mesma performance.

Mestre Clébio trabalha com quatro bonecos (Cassimiro, Birino, Vantania e Dona Rosinha). A história, criada pelo brincante, inclui piadas, poesias e causos. Isso tudo com a magia da ventriloquia. Nas apresentações, ele manipula dois personagens ao mesmo tempo.

Lapinha São Sebastião – É comandada pelo Mestre Adézio, homem que sempre se dedicou ao movimento cultural da Rua do Rio. O grupo foi fundado em 5 de julho de 1991 por mães do bairro de Cruz das Armas, após o término dos festejos juninos. A manifestação folclórica conta com mais de 20 participantes.

A lapinha é uma denominação popular do pastoril, que tem origem na colonização portuguesa. Nas apresentações, o grupo dança e canta em homenagem ao nascimento do menino Jesus. Divide-se em dois cordões de cores distintas (azul e encarnado) e um cordão central composto pela junção das duas cores.

O cordão azul pertence ao coração de Maria, sendo comandado pela Contra Mestra. O cordão encarnado pertence ao coração de Jesus, sendo comandado pela Linda Mestra. No cordão central, os componentes são Estrela, Pastor, Lindo Lírio, Florista, Linda Céa e Cigana.

Coco do Mestre Benedito – É formado pelos filhos, netos, bisnetos, genros e amigos do falecido Mestre Benedito. Quem puxa a brincadeira hoje é sua filha, Dona Teca. Ela conta que havia a dança do coco no lugar onde nasceu (Cruz do Espírito Santo), mas seu pai só começou a brincar de forma mais frequente quando se mudaram para Cabedelo.

Quando as filhas eram jovens, Mestre Benedito não deixava que Dona Teca e as irmãs participassem da brincadeira, mas elas fugiam para dançar um pouco quando acontecia a manifestação folclórica por perto de casa. O grupo já gravou um CD e um DVD e tem no currículo o Prêmio Culturas Populares 2007.

Coco do Galo Preto – Galo Preto nasceu em 1935, no quilombo de Santa (Rainha) Izabel, município de Bom Conselho de Papa Caças, agreste pernambucano. Trata-se do último remanescente da tradição do coco (dança, ritmo e cântico) daquela região.

Ele foi parceiro de grandes nomes da música brasileira, como Jackson do Pandeiro, Cauby Peixoto, Arlindo dos Oito Baixos, Luiz Gonzaga e Jacinto Silva, na década de 70. Apresentou-se em programas da televisão brasileira, tendo reconhecimento nacional, sobretudo pelas suas requintadas rimas e poesias de repente. O artista participou do filme “Galo Preto, o Menestrel do Coco” (2010), de média metragem, assinado por Wilson Freire Mestre.

‘Brincantes Brasileiros na Paraíba’ – A novidade da programação da edição 2011 da Festa das Neves é o ‘Brincantes Brasileiros na Paraíba’. O encontro nacional de cultura popular tradicional reúne, durante oito dias, 33 grupos e duplas, além da exibição do documentário “Missão de Pesquisas Folclóricas” (São Paulo, 1938), do poeta e romancista Mário de Andrade, com 25 minutos de duração. As apresentações começam na tenda armada no Ponto de Cem Réis, sempre a partir das 19h. Depois é que acontecem os shows dos artistas locais e nacionais, em palco armado na mesma praça, previstos para iniciarem às 21h.

Confira a programação da Festa das Neves 2011:

 

“BRINCANTES BRASILEIROS NA PARAÍBA”

Local: Ponto de Cem Réis (tenda do encontro nacional de cultura popular tradicional)

Horário: 19h

 

Segunda-feira – 01/08

Babau do Mestre Clébio (Guarabira/PB)

Lapinha São Sebastião (Cruz das Armas – João Pessoa/PB)

Coco do Mestre Benedito (Cabedelo/PB)

Coco do Galo Preto (Recife/PE)

 

Terça-feira – 02/08

Babau do Mestre Clóvis (Guarabira/PB)

Nau Catarineta Feminina (Cabedelo/PB)

Lindalva e Lavandeira (Várzea Nova – Santa Rita/PB e Natuba/PB)

Coco Novo Quilombo de Gurugi (Conde/PB)

Jongo do Pinheiral (Pinheiral/RJ)

 

Quarta-feira – 03/08

Cavalo Marinho Infantil do Mestre João do Boi (Bairro dos Novais – João Pessoa/PB)

Ciranda Nova de Odete de Pilar (Pilar/PB)

Cambindas Brilhantes de Lucena (Lucena/PB)

Cirandeiros do Vale do Gramame (Engenho Velho – João Pessoa/PB)

 

Quinta-feira – 04/08

Zezinho da Borborema e Curió de Bela Rosa (Guarabira/PB e Mogeiro/PB)

Coco de Roda Indígena da Aldeia Cumaru (Baía da Traição/PB)

Ciranda do Sol (Bairro dos Novais – João Pessoa/PB)

 

Sexta-feira – 05/08

Exibição do documentário  “Missão de Pesquisas Folclóricas” (São Paulo, 1938), de Mário de Andrade com 25 minutos

Boi de Reis Estrela do Norte (Bairro dos Novais – João Pessoa/PB)

Reisado de Zabelê (Zabelê/PB)

Maracatudo Camaleão (Olinda/PE)

Boi Bumbá Corre Campo (Manaus/AM)

Ciranda dos Tupinambás (Mandacaru –João Pessoa/PB)

 

Sábado – 06/08

Maracatu Rural Leãozinho das Flores (Pedras de Fogo/PB)

Cacumbi do Mestre Deca  (Laranjeiras/SE)

Samba de Pareia (Laranjeiras/SE )

Penha Cirandeira  (Várzea Nova –  Santa Rita/PB)

Banda Cabaçal do Mestre Zé Pretinho (Tavares/PB)

 

SHOWS

Local: Ponto de Cem Réis (palco dos shows)

Horário: 21h

 

Segunda-feira – 01/08

Cabruêra

Banda Eddie

 

Terça-feira – 02/08

Banda Tuaregs

Márcio Greyck

 

Quarta-feira – 03/08

Banda Auto Pista

Bartô Galeno

 

Quinta-feira – 04/08

Banda Sonora Samba Groove

Banda Black Rio

 

Sexta-feira – 05/08

Orquestra de Câmara Cidade de João Pessoa (OCCJP)

Zélia Duncan

 

Sábado – 06/08

Paulo e Babi

14 Bis