Bandas paraibanas são estrelas do ‘Estação’ na Praça da Paz

Por - em 38

A diversidade de sons e estilos toma conta do projeto ‘Estação Nordeste’, com a apresentação dos grupos ‘Cabeça Chata’, ‘Unidade Móvel’ e ‘Tribo Éthnos’. Os shows acontecerão na quinta-feira (17), a partir das 19h, na Praça da Paz, localizada no bairro dos Bancários.

O ‘Estação Nordeste’ é uma iniciativa da Prefeitura de João Pessoa (PMJP), executada por sua Fundação Cultural (Funjope), e conta com o apoio do Ministério do Turismo. O evento, que está em sua terceira edição, teve início dia 4 deste mês e se estende até dia 25 próximo, com shows no Busto de Tamandaré, entre as praias de Tambaú e Cabo Branco, e em várias praças da cidade, entre elas a Antenor Navarro, no Centro Histórico.

‘Cabeça Chata’
– A banda surgiu há 10 anos e atualmente é formada por Wandenberg Pegado (guitarra solo, vocal), Mário Brito (baixo, vocal), Eduardo Brito (guitarra, percussão e vocal), Guga Grimaldi (bateria e percussão). Em 2005, eles lançaram o primeiro CD intitulado ‘Fusão’. Para compor as músicas o grupo mistura ritmos regionais com rock e samba.

No ‘Estação Nordeste’, a banda apresentará o show com músicas do mais novo trabalho ‘Oi nóis aqui outra vez’, como ‘Discórdia’, ‘Universo cinza’, ‘Botija’ e ‘No balanço’. Eduardo Brito diz que o público pode esperar um show muito dinâmico e o projeto é muito importante para as bandas paraibanas apresentarem o trabalho. “Estamos preparando um show pra cima, bem legal, pois o Estação Nordeste é um espaço muito bom para que as pessoas possam conhecer a nossa música”, disse.

‘Unidade Móvel’ – Em atividade desde 2001, a banda tem três CDs demo lançados e participou também de três coletâneas lançadas pelo Sesc de João Pessoa com os finalistas do festival “Todas as Tribos” (2004-2005-2006). Na edição de 2005, a banda foi vencedora com a música ‘Estranho no ninho’ e seu vocalista recebeu o prêmio de melhor intérprete.

Fazendo uma mistura de rock, funk e ritmos brasileiros, a ‘Unidade Móvel’ apresenta o primeiro CD ‘Em tempo real’. O grupo é formado por Igor Ayres (voz e baixo), Marcos Rosa (guitarra) e Flávio Boy (bateria). O repertório do disco tem músicas dos três CDs demo do grupo, agora em novos arranjos, como ‘Sinal de fumaça’, ‘Banho de chuva’, ‘Amanhã já foi’, ‘Estranho no ninho’ e as novas ‘Gravidade’, ‘A coisa errada’ e a faixa que dá título ao disco ‘Em tempo real’.

“Este é o segundo ano em que nos apresentamos no ‘Estação Nordeste’. Já tocamos na praça em Manaíra no ano passado e isso é muito bom, pois atravessamos a cidade mostrando nossa música. E a partir dos shows as pessoas procuram os CDs da banda. É um espaço significativo e o público pode esperar um show animado pois gostamos de interagir com a platéia”, afirma Igor Ayres.

‘Tribo Éthnos’
– A performance da ‘Tribo Éthnos’ no ‘Estação Nordeste’ pretende unir dança e música, artes que o grupo trabalha desde 1990, “promovendo uma arte múltipla conectada tanto com a nossa ancestralidade quanto com as expressões mais contemporâneas da criação artística”, afirma o vocalista Vant. Eles exibirão três canções em arranjo recente do disco ‘Medrooaavon’ e músicas inéditas do projeto em artes integradas ‘Triballo – O conselho das tribos e dos clãs’, ainda em fase de produção. O show terá as presenças especiais de músicos convidados das bandas ‘Cabeça Chata’, ‘Ôdecasa’ e a cantora Mira Maya.

Nesse show, o grupo estará composto de Júnior Punk (bateria); Guga Grimaldi e Rodrigo Melo (percussão); Mário Brito (contrabaixo), Daniel Mesquita (guitarra), Henrique Peixe (voz tenor e violão), Izzah (voz mezzo-soprano), Mira Maya (voz soprano) e Vant (voz baixo).

Nas exibições de dança sobem ao palco Ayleen (B-boy Kin); Jean (B-boy Kenshin); Adailson (B-boy Subzero); Edinaldo (B-boy El Ninho); Gutembergue (B-boy Gutto); Valéria (B-girl Lela); Vanusa (B-girl Nusa); Vanessa (B-girl Maga); Kelry (B-girl Anjinha); Ana Cristina (Tina); Luciana Kaline e Vant.