Bemfam vai encerrar atividades do Proescola na Capital, na sexta-feira

Por - em 33

A organização não-governamental Bem-Estar Familiar no Brasil (Bemfam) encerra, nesta sexta-feira (30), o Programa Proescola em João Pessoa. Nos três últimos anos, mais de 2,6 mil alunos e professores de três escolas municipais trabalharam temas ligados à sexualidade e receberam atendimento médico na Clínica de Saúde Reprodutiva da Bemfam.

Na programação da próxima sexta-feira consta a realização de debates, apresentação teatral e mostra de trabalhos. Crianças e jovens, na faixa etária entre 10 e 24 anos, vão apresentar um resumo do que aprenderam sobre métodos contraceptivos, gravidez precoce, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e Aids.

A supervisora de projetos da Bemfam, Ana Patrícia Sousa Morais, explicou que o programa, financiado por instituições canadenses, começou a ser implantado na Capital em 2005, com a adesão da Escola Municipal Zulmira de Novais, em Cruz das Armas, e outra estadual. No ano seguinte, mas duas escolas públicas foram inseridas, sendo uma delas a Apolônio Sales, também em Cruz das Armas. Este ano, a Escola Municipal Olívio Ribeiro Campos, no Bancários, se engajou na ação.

Como funciona – O Proescola atendeu seis unidades de ensino, sendo três municipais e três estaduais, entre 2005 e 2007. “O programa começa com a seleção de 30 alunos e 30 professores de cada escola, que recebem um treinamento de três dias. Eles são chamados de multiplicadores e têm a missão de divulgar o que aprenderam na sua comunidade escolar. Os professores são capacitados para incluir a discussão sobre sexualidade em suas aulas de todas as disciplinas. É importante dizer que, além dos professores e alunos, que participam diretamente da ação, o Proescola alcança toda a comunidade escolar”, explicou Ana Patrícia.

Assistência – A supervisora disse ainda que a cada mês o Proescola destinou uma cota de 47 consultas ginecológicas para os participantes do programa. No ano passado, durante três meses, a Clínica de Saúde Reprodutiva da Bemfam abriu para toda a comunidade escolar, que inclui servidores técnico-administrativos e pais de alunos.

Além disso, cada aluno pode pegar dez preservativos por mês. A escola recebe um kit (modelos dos sistemas reprodutores feminino e masculino, filmes em DVD, folhetos, cartilhas e cartazes) para trabalhar o tema com alunos, pais e funcionários. Como depende de financiamento internacional, a Bemfam ainda não sabe se haverá continuidade do programa na Capital. Caso haja, outras escolas públicas serão selecionadas para participar.

Programação – A atividade de encerramento do programa começa às 9h desta sexta-feira, na Escola Apolônio Sales, com o tema ‘Escola mostra ciência, arte e cultura’. Às 14h, será a vez dos alunos da Zulmira de Novais apresentarem os resultados do programa. Às 16h, o encerramento ocorre na Olívio Ribeiro Campos. Durante a programação, além da mostra de trabalhos produzidos pelos alunos (painéis feitos a partir de colagem de textos e outras informações publicadas em jornais, revistas, folders e outros), as bandas marciais das escolas se apresentarão e haverá espaço para vídeo-debates e encenação teatral.