Capacitação realizada pela Semam tem 100% de adesão dos comerciantes de quiosques da orla

Por Carolina Queiroz - em 1792

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), vem realizando, desde o mês de fevereiro uma capacitação gratuita para adequação ambiental, com 100% de adesão dos comerciantes proprietários e funcionários de quiosques da orla.

O secretário de Meio Ambiente, Abelardo Jurema Neto, destaca que para tornar uma cidade mais sustentável faz-se necessário a conscientização ambiental em parceria com cidadãos e uma preocupação social em manter o desenvolvimento sustentável.

“Fizemos uma reunião com presidentes de associações de quiosques da praia, do Cabo Branco à Tambaú, e elaboramos um termo de compromisso com a ajuda de 51, dos 54 representantes de estabelecimentos e 100% de adesão e participação dos funcionários dos estabelecimentos. A gestão do prefeito Luciano Cartaxo prioriza sempre o diálogo com a população e é esta a postura da Secretaria de Meio Ambiente: o trabalho de mãos dadas”, explicou o secretário.

De acordo com Abelardo Jurema Neto, a iniciativa está cumprindo o objetivo de contribuir para a padronização dos estabelecimentos em relação aos tratamentos de resíduos sólidos e líquidos produzidos por eles, cuidados da área em torno ao comércio e controle de emissão de som.

“Tomamos a iniciativa da capacitação a partir do conclame da população pessoense e dos turistas. Segundo a observação do cidadão, era preciso que as barracas tomassem uma postura adequada sustentável. Após o fim do

primeiro módulo, faremos um estudo apurado das práticas pós-capacitação, para avaliarmos as novas posturas e práticas realizadas pelos funcionários e comerciantes”, explicou o secretário.

Evento – Segundo Neide Martins, diretora do Centro de Estudos e Práticas Ambientais (Cepam), a capacitação em parceria com os técnicos Andréa Sousa, João Pedro Barros e Jocélio Santos, está orientando sobre temas como descarte racional de óleo de cozinha; geração e gestão de lixo nos estabelecimentos; economia e uso racional de água; acondicionamento de lixeiras; poluição atmosférica produzida através da fumaça das churrasqueiras; poluição sonora e Leis sobre decibéis permitidos; as vantagens de estar de acordo com a Legislação e deram dicas de como ficar ambientalmente adequado.

“Investir em programas de capacitação é uma forma eficiente de orientar e educar em benefício da sustentabilidade. Essa relação é positiva e muito contribui para o aumento do comprometimento dos comerciantes. Esperamos colher os frutos positivos da abordagem aos modos de adequação às normas e Leis Ambientais e o respeito ao meio ambiente”, finalizou Neide Martins.