Capital ganha sua usina de reciclagem de resíduos sólidos

Por - em 240

João Pessoa agora conta com a Usina de Beneficiamento de Resíduos Sólidos da Construção e Demolição (Usiben). O empreendimento, localizado no bairro do José Américo, foi inaugurado nesta terça-feira (11) pelo prefeito da Capital, Ricardo Coutinho (PSB). Durante a solenidade, o gestor municipal afirmou que interessa ao governo e à população que a metralha seja transformada em matéria prima para casas e pavimentação. “Dessa forma ela voltará a servir ao invés de ser levada para o Aterro Sanitário”, frisou. O prefeito também destacou que, além dos benefícios ao meio ambiente, o equipamento gerará economia para os cofres públicos, uma vez que deixará de ser paga a sua entrada no Aterro Sanitário. “Do lixo se produz recursos e melhoria de qualidade de vida para a população”, comentou.

A Usiben foi instalada pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur). A liberação dos recursos para a obra contou com a parceria do Ministério da Ciência e Tecnologia e a Secretaria Executiva de Ciência e Tecnologia (Secietc). A solenidade de inauguração teve com a presença de secretários, políticos, líderes comunitários, entre outros convidados. O descerramento da placa de inauguração foi feito pelo prefeito Ricardo Coutinho. Logo depois, ele acionou o botão, colocando o equipamento público para funcionar.

O gestor lembrou, em sua fala, que a Usiben é o primeiro equipamento público desse tipo no Nordeste. Ele revelou que o fato de a usina ser fruto da parceria entre secretarias lhe deixou muito satisfeito. Segundo contou, João Pessoa foi a Capital que mais aprovou projetos junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia e a usina está entre essas liberações.

Como funciona – O equipamento inaugurado ontem tem a capacidade de processar 20 toneladas de entulho por hora e fornecerá matéria-prima para construção de casas populares e pavimentação de ruas e avenidas e, ainda, colaborará com a preservação do meio ambiente, uma vez que toda a metralha antes colocada em terrenos baldios, aterro sanitário, leitos de rios e outras áreas de preservação, agora será encaminhada para o beneficiamento. Esse material colocado em local inadequado deixará de ser um problema de saúde pública, pois não ficará entulhado e deixará de atrair vetores causadores de doença.

O recolhimento da metralha ocorrerá em locais específicos, chamados de ‘ecopontos’. Oito deles estão sendo espalhados pela cidade. Os bairros que receberão as estruturas são: Altiplano, Valentina, João Agripino, Aeroclube, Cristo Redentor, Alto do Céu, Mangabeira e Manaíra. Os locais foram definidos depois de realizado um levantamento pela Emlur, que identificou esses bairros como maior incidência de entulhos de construção deixados em terrenos desocupados. Além disso, os grandes produtores deverão levar os resíduos diretamente para a Usiben.

A solenidade – O vereador Padre Adelino (PSB), que participou do evento, falou do trabalho que vem sendo desenvolvido na cidade pela Emlur. Já o secretário da Secietc, Simão Almeida disse que aquela usina era uma “indústria do futuro”, uma vez que o futuro passava pelo reaproveitamento. Falou dos benefícios que serão gerados pelo equipamento e da parceria entre Emlur e Secietc na implantação da Usiben.

A superintendente da Emlur, Laura Farias Gualberto, disse que a usina trará uma revolução na área de infra-estrutura em João Pessoa. Ela falou ainda do trabalho voltado para a preservação do meio ambiente que a Autarquia de limpeza vem desenvolvendo na cidade. “Não somos uma pequena empresa que transporta lixo, somos uma grande empresa que transforma pessoas”, ressaltou.

O evento ainda contou com apresentações artísticas. O Coral da Emlur levou para a inauguração músicas populares, além do hino do ‘Bloco da Limpeza’. Já o grupo de percussão da Autarquia – o ‘Baticumlata’ – mostrou para os participantes a música que é feita através de materiais que são retirados do lixo e de instrumentos de trabalho. O ‘Baticumlata’ chama a atenção para a necessidade de promover o reaproveitamento de materiais como forma de preservar o meio ambiente.