Capital supera média nacional em competitividade turística

Por - em 20

O ‘Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento do Turismo Regional 2010’ revelou que a Capital paraibana superou todos os índices do Brasil. O estudo, encomendado pelo Ministério do Turismo e realizado pela Fundação Getúlio Vargas em parceria com o Sebrae Nacional, analisa 13 aspectos distintos e pontua cada um de acordo com os dados coletados pelos pesquisadores que visitam as cidades para verificar as informações in loco.

A média geral da cidade subiu de 66,1 em 2009 para 69,0 em 2010, um acréscimo de 2,9 pontos, superando a média nacional que ficou em 56,0. O quesito que mais se destacou foi Monitoramento, onde João Pessoa atingiu 70,7, o dobro da média brasileira que ficou em 35,3. A maior nota da Capital paraibana foi com relação à Capacidade Empresarial, que atingiu a marca de 91,2, bem a frente da média nacional que é de 57,0. Os outros aspectos pesquisados foram: Infraestrutura Geral, Acesso, Serviços e Equipamentos Turísticos, Atrativos Turísticos, Marketing e Promoção de Destino, Políticas Públicas, Cooperação Regional, Economia Local, Aspectos Sociais, Aspectos Ambientais e Aspectos Culturais.

Além de superar a média nacional, João Pessoa apresentou crescimento em 10 dos 13 itens avaliados quando comparados os números de 2009 e 2010. O índice que mais cresceu foi Aspectos Ambientais, que subiu de 63,1 em 2009 para 70,8 em 2010, um acréscimo de 7,7 pontos.

A pesquisa foi divulgada durante o evento ‘Inovação em Políticas Públicas do Turismo: Avanços e Desafios’, que aconteceu de terça (07) a quinta-feira (09) em Brasília, Distrito Federal, com a participação do secretário de turismo de João Pessoa, Elzário Pereira Júnior.

Para o secretário, a pesquisa revela que a Capital está no caminho certo. “A cada ano avançamos nos números, tornando nossa cidade cada vez mais competitiva. Isso é resultado de uma gestão municipal responsável e comprometida com a população, porque a pesquisa avalia a cidade como um todo e não apenas os aspectos turísticos”, comenta.

O estudo – O relatório 2010 é o terceiro da série iniciada em 2007 e resulta da pesquisa de campo realizada pela FGV entre abril e outubro deste ano. O documento representa o marco zero para medição do índice da competitividade dos 65 destinos. A ideia do estudo de competitividade surgiu da ausência de indicadores sobre desenvolvimento e evolução do turismo nos municípios e serve de instrumento de acompanhamento estratégico para que os destinos estudados possam analisar os indicadores e utilizar esses dados para planejar e desenvolver o setor.