CAPS AD III ganha 10 novos leitos e passa a ter atendimento 24h

Por - em 160

Os usuários do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas David Capistrano (CAPS AD) passam a ter atenção integral 24h a partir desta segunda-feira (19). A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), inaugura na sede do Caps AD III, no bairro do Rangel (Rua José Soares, S/N), a partir das 15h, dez novos leitos 24h para usuários que estão em período de desintoxicação e abstinência, o primeiro na rede municipal a oferecer o serviço.

Atualmente, o Caps atende 480 usuários de substâncias psicoativas, com idade acima de 18 anos. A diretora do Centro, Ana Karina de Almeida Soares, explicou que o local oferece um serviço que atende pessoas com transtornos relacionados a uso e abuso de dependências. “Trabalhamos coletiva e individualmente com os usuários para reinserção social. Para isso desenvolvemos oficinas de tabagismo, reciclagem e pintura, entre diversas outras, como também realizamos ações individuais e de redução de danos”.

Karina enfatizou que no local também é feito um trabalho com os familiares e que o acesso à população é facilitado. “O Caps tem porta aberta para os usuários que desejam ter ajuda para lidar com a dependência. Além disso, os usuários em abstinência podem passar um período de 7 a 15 dias nos leitos para acompanhamento da equipe”, enfatizou.

Os atendimentos do Caps são coordenados por uma equipe interdisciplinar formada por médicos clínicos, psiquiatra, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais. “A equipe oferece a possibilidade do atendimento do usuário de álcool e drogas em serviços da comunidade, diminuindo assim os internamentos em hospitais psiquiátricos, mostrando outras atividades de cuidado”, destacou a diretora.

Dentre as oficinas realizadas no Caps, os usuários têm acesso à educação em saúde, redução de danos, grupo de prevenção em recaída, orientação sobre os problemas do alcoolismo, grupos de arte terapia, música, combate ao tabagismo e relaxamento.

Segundo dados da direção do serviço, dos 480 usuários do Caps, 65% procura o serviço com problemas de álcool e 35 são usuários de crack. “Cerca de 90% dos usuários são homens e a droga de maior demanda é o álcool, em torno 65%. O problema do crack é grande, mas o álcool afeta a todos os usuários que nos procuram”, disse Karina.