Centro Cultural Parque Casa da Pólvora tem teatro e dança nesta terça-feira

Por Hellen Nascimento - em 287

O Centro Cultural Parque Casa da Pólvora recebe nesta terça-feira (22) a apresentação de dança ‘Boca de Forno’, da Cia Som e Osso, às 19h e o espetáculo ‘Mulher Monstro’, de José Neto Barbosa, a partir das 20h, na edição do Pólvora Cultural. O projeto é realizado pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio de sua Fundação Cultural (Funjope) e faz parte da programação do AnimaCentro.

O “Boca de Forno” é uma performance do Coletivo Som e Osso que nasceu a partir do jogo infantil homônimo, onde existe um mestre que dá as coordenadas de movimentos que devem ser repetidos pelos demais. Com o desenvolver da pesquisa, brincadeiras que fizeram parte da infância dos artistas foram introduzidas ao trabalho, de modo que os espectadores podem, através destes jogos infantis, acessar memórias e emoções, possibilitando a identificação com os dançarinos e os músicos.

Elenco atual – Joyce Barbosa, Lília Maranhão, Iara Costa, Mylla Maggi, Débora Reges e Maurício Barbosa. A música ficará com o convidado especial Banda D_M_G, formada pelos músicos Daniel Jesi e Rieg Rodig.

Cia Som e Osso – Em meados de 2014, algumas integrantes da Paralelo Cia de Dança, companhia que desenvolve pesquisas em dança contemporânea na cidade de João Pessoa há quatorze anos, resolveram criar o Coletivo Som e Osso, com o objetivo de investigar mais a performance e a improvisação em dança e música, além de estabelecer maior aproximação com outros artistas, e dessa forma trabalhar com um elenco eclético, que nunca se repete nas apresentações. A direção do Coletivo Som e Osso também é coletiva.

Mulher Monstro – Às 20h, quem se apresenta é o espetáculo ‘Mulher Monstro’, de José Neto Barbosa. A tragicomédia fala do desrespeito para além do preconceito. Trata a atualidade política e social do Brasil através da figura de uma burguesa, falsa cristã, perseguida pela própria visão intolerante da sociedade, sem saber lidar com a solidão e as suas relações num tempo de ódio, golpes e corrupções vistos sem vergonha. Presa numa jaula, uma mulher se transforma num monstro.

Além de ter sido inspirada na poética da Mulher Monga/Konga dos parques e circos nordestinos a peça também teve inspiração no conto “Creme de Alface” de Caio Fernando Abreu, escrita em plena ditadura militar, publicada anos depois, durante a tentativa de redemocratização brasileira. Ainda tão atual, Caio F. fez única posição e registro encontrado sobre a obra antes de falecer: o que me aterroriza neste conto de 1975 é a sua atualidade.

Ficha Técnica – José Neto Barbosa (direção, dramaturgia, atuação, cenografia e figurino); Sérgio Gurgel Filho (iluminação, sonoplastia e coordenação de palco); Mylena Sousa (fotografia e registros audiovisuais); Diógenes Luiz (concepção de maquiagem e sonoplastia); Alyson Oliveira e Augusto Freitas (assistência de produção).

Premiações – Melhor Monólogo do Teatro Nacional 2017 pela Academia de Artes no Teatro do Brasil/Prêmio Cenym, onde, em 2015, José Neto Barbosa venceu a categoria melhor ator, concorrendo nas duas edições com nomes como Ary Fontoura, Álamo Facó, Paulo Betty, Gregório Duvivier, Marcos Veras, Marcos Caruso, entre outros, somando mais de 17 títulos entre premiações, indicações, menções honrosas e homenagens solenes. A peça já passou por 12 cidades brasileiras, em 07 estados de 03 regiões do país, sendo destaque em mais de 14 festivais/mostras nacionais e internacionais.

Serviço:

Local: Casa da Pólvora (Ladeira de São Francisco, Centro)

Dia: terça-feira (22)

Apresentação de dança: Boca de Forno

Horário: 19h

Apresentação de teatro: Mulher Monstro

Horário: 20h

Entrada franca

Classificação: livre