Circuito cultural anima praças da Capital com apresentações populares

Por - em 73

O Circuito Cultural das Praças deste sábado (25) terá apresentações de música, teatro, dança, circo e cultura popular. As apresentações ocorrerão em nove praças, em diferentes pontos da cidade, além da Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes. Os shows são gratuitos e, dependendo da localidade, podem começar a partir das 17h. O Circuito desta semana contará com duas apresentações de convidados da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP).

Após uma interrupção, em virtude dos festejos do Carnaval, o Circuito das Praças volta com dez atrações, em diferentes estilos de arte. As praças em que ocorrem as apresentações foram revitalizadas pela PMJP e a organização dos eventos é de responsabilidade da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

Castelo Branco – O público que comparecer à praça da Cultura, a partir das 19h, poderá conferir uma apresentação de teatro cantado. As artes integradas, de Tony Rodrigues, serão as responsáveis pelo entretenimento da noite. O trabalho traz um diálogo multifacetado entre pegadas rítmicas, sons e convenções musicais. Há uma sincronia que transforma elementos musicais em enredo dramático. É um discurso sobre arte, egocentrismo, ativismo, revolução, transformação, mudança, pelos quais transitam atitude, criatividade e poesia. O roteiro e montagem são do músico David Neves e do ator Tony Rodrigues.

Manaíra – A praça Alcides Carneiro será o palco de uma apresentação que passeará pelo universo feminino. A partir das 17h, o grupo “Dança Livre” irá apresentar o espetáculo ‘Foco’. Baseado na dança contemporânea, a apresentação irá explorar os diversos focos da vida mulher. Composto por quatro bailarinas (Leila Cláudia, Maria Tereza, Vanessa Bernardo e Janaína Vieira), o grupo encenará uma coreografia de Lílian Barbosa, remanescente da formação inicial do grupo, em 1979.

Bessa – O espetáculo ‘Abra a mala e solte o riso ‘ será a atração da praça do Caju, a partir das 19h. A apresentação convida o publico para o mundo do palhaço, com seu jeito meigo e poético, com sua mala sonora onde é desenvolvida a trilha musical do espetáculo. A peça se propõe a interagir com o público, que viaja por jogos, esquetes e muita improvisação. Os personagens ‘Sorriágico’ e a ‘pulga Catarina’ fazem parte da esquete e, no final, o palhaço propõe uma reflexão sobre a natureza do palhaço, dialogando com o grande universo artístico do circo. Neste dia, também haverá a presença da convidada da Sedes Andrisley Kelly, que irá mostrar uma apresentação de Música Popular Brasileira (MPB).

Padre Zé – O grupo de dança ‘Procê’, cuja direção é de Sérgio Nazza, será a atração do circuito na praça da Conquista, às 19h. O espetáculo ‘Terra do Sol Madrugador’ foi criado com o intuito de ser educativo. A apresentação mostra traços da cultura paraibana, artistas da terra, pontos turísticos, trazendo para realidade dos presentes as belezas da cidade de João Pessoa. Além do grupo de dança ‘Procê’, o público também poderá conferir uma apresentação de Hip Hop do grupo convidado da Sedes Família Z.O.

Funcionários I – A praça Lauro Wanderley será palco para o show de cultura popular que o espetáculo ‘A Saga da Luz’ irá proporcionar. O trabalho dá continuidade à comédia ‘A Saga de Zacarias’ e o tema retrata a história de um casal em convulsão. Depois de quase 20 anos, surge uma nova situação: a chegada de uma criança, menino ou menina. Nascer ou não nascer é a grande confusão. A história é baseada nas obras ‘Porque a Noiva Botou o Noivo na Justiça’, de Lourdes Ramalho, e ‘Como Nasce um Cabra da Peste’, de Altimar Pimentel. A adaptação e direção são de Marcos Pinto, com montagem patrocinada pelo Fundo Municipal de Cultura (FMC).

Jaguaribe – O Circo Arlequim explora a rotina de personagens da vida real que encontram na noite momentos únicos de curtir a vida e até mesmo de sobreviver. A partir das 19h, na praça Aquiles Leal, o espetáculo traz para o picadeiro as mais divertidas cenas clássicas dos palhaços, que com pantomimas, gags e reprises interativas com o público fazem do espetáculo um show a parte. Um bar serve de pano de fundo para retratar as mais diversas estórias. O cardápio é diversificado: entrada – pantomima e música; prato principal – saborosas habilidades circenses e sobremesa – deliciosas atrapalhadas do palhaço Xulé. A Trupe Arlequim de Circo e Teatro foi fundada em 2008, pelo artista Diocélio Barbosa, e nasce com o intuito de continuidade de uma pesquisa coletiva, voltada para a disseminação e valorização da arte circense/teatral.

Funcionários II – A música de Penha Cirandeira promete muita animação na praça Bela, às 19h. Penha conta com um CD gravado, intitulado ‘Ciranda Raio de Sol’, com músicas autorais e domínios públicos. A produção do disco é Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em parceria com a Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope). Recentemente, participou do encontro Brincantes Brasileiros na Paraíba, realizado pela Funjope durante as comemorações dos 426 anos da Capital. A artista tem sido muito requisitada em eventos da Capital e cidades interioranas do Estado da Paraíba,

Valentina – Legítimos representantes dos quilombolas irão mostrar suas culturas e tradições na praça Soares Madruga, a partir das 19h. O grupo Caiana dos Crioulos é uma comunidade quilombola que fica no município de Alagoa Grande, distante 111 km de João Pessoa. A localidade é conhecida nacionalmente como uma das 35 legítimas remanescentes de africanos no Estado. Seus instrumentos, músicas, danças e costumes ainda guardam muito da cultura e da história de uma das raças da miscigenação brasileira. O coco e a ciranda são as mais importantes manifestações populares do local e dona Edite é uma das principais referências da comunidade.

Alto do Matheus – Na praça das Mangueiras, a partir das 17h, o público poderá assistir a apresentação de um grupo de pescadores do município de Lucena. Trata-se do ‘Cambidas Brilhante’. Ele é formado apenas por homens, que, vestidos de mulheres, se agrupam em duas alas, uma azul e outra encarnada. A presença da boneca Leopoldina é bastante marcante na manifestação. Para alguns pesquisadores, remete ao totem do maracatu rural e a tradição das festas do Rosário. Para outros, são a representação da princesa Isabel, em referência à libertação dos escravos. Uma das várias teorias sobre as primeiras cambidas é que elas teriam sido criadas em 13 de maio de 1888 em alusão à promulgação da Lei Áurea. Na ocasião, os negros libertos estavam embriagados e teriam se vestido de mulher para comemorar a abolição.

Estação Cabo Branco – O cavalo marinho é uma variante da brincadeira do boi e apresenta personagens humanos (como o Mateus, o Birico, o Contramestre, os Galantes), animais (o boi, a burra, o bode, o cavalo marinho) e seres mitológicos (jaraguá, o arlequim e o gigante). Rabeca, pandeiro e triângulo fazem a música para as pessoas dançarem e brincarem ao som de toadas, aboios e baianos. O espetáculo é uma herança deixada pelo mestre Gasosa, o grupo hoje é conduzido pelo mestre Zequinha. A apresentação terá início às17h.