Coleta de óleo de cozinha no Geisel tem o apoio da Emlur

Por - em 25

Com o apoio da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), 30 moradores do bairro do Geisel fundaram a Associação Não-Governamental Anjos Verdes (Agav), cuja proposta é trabalhar pela preservação ambiental. A primeira ação foi lançar o projeto ‘Óleo Cultural’, com a finalidade de recolher óleo de cozinha usado para transformar em sabão ecológico. A Emlur promoveu a capacitação dos voluntários, contribuiu com a divulgação e ainda forneceu os recipientes padronizados para a coleta do óleo.

Na última segunda-feira (17), os integrantes da Agav saíram pelas ruas do Geisel visitando os moradores em suas casas ou estabelecimentos comerciais. Eles falaram da importância de não se jogar o óleo no ralo, uma vez que esse material colabora com a degradação do meio ambiente. Em todas as casas, os voluntários fizeram a distribuição de garrafas pet de dois litros, para recolhimento do produto.

Já nos bares, restaurantes e lanchonetes foram entregues recipientes de cinco litros, uma vez que a produção nesses estabelecimentos é maior. Todos os depósitos entregues são personalizados, possuem a logomarca da campanha e informações sobre os problemas que são gerados pelo óleo de cozinha usado. Nesse primeiro momento, os voluntários querem atingir mil casas.

O criador do projeto, Thiago Farias, contou que teve a idéia de fazer alguma coisa em benefício do meio ambiente ao assistir a uma reportagem, onde uma pessoa utilizava óleo de cozinha para fazer combustível veicular e na produção de sabão. “A Agav tem o objetivo de mudar o conceito da população no que diz respeito à preservação do meio ambiente. Vamos levar informações de preservação. Temos um grupo de voluntário empenhado em melhorar o meio ambiente de formar coletiva, contando com a parceria da população. Queremos mais adesões e temos a meta de envolver, principalmente, os jovens nessa luta”, revelou.

Consciência – O diretor administrativo da Emlur, Coriolano Coutinho, elogiou a iniciativa dos moradores do Geisel em montar uma organização não-governamental com essa finalidade. “É difícil encontrar jovens tão comprometidos com uma causa. Eles estão trabalhando de forma voluntária, sem receber nada por esse serviço. O que me alegra é que eles têm a consciência de que a preservação do meio ambiente é indispensável para a sobrevivência humana e estão dando a sua colaboração”, comentou, acrescentando que a Agav procurou a Emlur e a Autarquia sempre está disposta a apoiar esse tipo de iniciativa.

O trabalho desses voluntários integra o projeto da Emlur ‘Não vai pelo ralo’, que está coletando óleo de cozinha usado e encaminhando para o Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), onde é transformado em sabão ecológico. No Geisel, os moradores podem deixar o óleo usado na sede da Agav, que fica localizada na Rua João José da Costa, 295.

O óleo de cozinha usado causa vários problemas ao meio ambiente e ainda entope os encanamentos. O material, quando jogado pelo ralo, vai para a rede de esgotos e chega a rios, mares e lagoas prejudicando o equilíbrio destes ecossistemas.

“Como o produto é mais denso que á água, fica na superfície impedindo a passagem dos raios solares, responsáveis, por sua vez, pela vida da fauna e flora. Além de impermeabilizar o solo, o óleo descartado inadequadamente também adere às paredes das tubulações de esgoto, facilitando o entupimento e o surgimento de enchentes. Se descartado no lixo comum, o material se decompõe emitindo metano, um dos gases causadores do efeito estufa”, explicou a educadora ambiental Elma Xavier.