Comerciantes da Feirinha participam de curso sobre manipulação de alimentos

Por - em 25

Os cerca de 25 comerciantes que trabalham na Feirinha de Tambaú estão passando por um curso de capacitação sobre manipulação de alimentos, oferecido gratuitamente pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) e ministrado por inspetores da Gerência da Vigilância Sanitária (GVS), órgão vinculado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

As aulas, que acontecem no período da tarde numa das salas de treinamento da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável da Produção, no bairro do Varadouro, começaram nesta terça-feira (23) e se encerram na próxima sexta-feira (26). Durante as quatro horas de curso, os participantes tem noções teóricas e práticas, através de dinâmicas de grupo, de como manusear corretamente os alimentos.

No programa das aulas estão assuntos como: o que são bactérias, quais os tipos mais comuns nos alimentos mal acondicionados, a importância sobre a procedência dos alimentos, data de validade dos produtos industrializados, entre outros temas referente à área. As aulas são ministradas pelos inspetores da Gevisa: Felizardo Job e Meira, Marly Pereira e Roseane de Sá Vilar.

“Um dos principais objetivos do curso é educar para a saúde, contribuindo para uma atitude de vida mais saudável tanto para o comerciante como para os clientes que frequentam os estabelecimentos. Chamamos a atenção deles para vários pontos, que vão da maneira certa de higienizar as hortaliças até a importância de se lavar as mãos corretamente. Outro fator importante é que se esses comerciantes têm a conscientização de que oferecendo um serviço de qualidade o retorno financeiro será bem maior, já que João Pessoa é uma cidade turística e atrai muitos visitantes”, observou Jailma Porto, chefe de inspeção da Gevisa.

Ao fim do curso, os comerciantes receberão um certificado, que possibilitará a eles requerer a licença sanitária obrigatória para funcionamento, prevista na legislação n° 216/04 da Anvisa. “O nosso trabalho não se reduz a fiscalizar e notificar, mas também orientá-los sobre em quais aspectos eles podem melhorar na oferta de seus serviços”, enfatizou Jailma.

As aulas também chamam a atenção para a roupa adequada para se trabalhar com alimentos. “O manipulador de alimentos tem que estar vestido com uma bata, touca, sapato fechado e, em alguns casos, com luvas. Esses cuidados faz com que a qualidade do serviço cresça, evitando assim os transtornos que possam vim a acontecer com algum cliente”, explicou Felizardo Job e Meira, inspetor da Gevisa.

A Gevisa está estudando a possibilidade dos cursos se estenderem a outras categorias a exemplo das padarias e restaurantes.