Conselheiros são capacitados em oficina sobre comunicação em saúde

Por - em 22

“A informação e a comunicação na saúde são fundamentais para se conhecer a realidade e orientar a tomada de decisões, já que subsidiam o desenvolvimento de políticas públicas mais eficazes na área da saúde”. A avaliação foi feita pelo diretor de monitoramento e avaliação da gestão do SUS do Ministério da Saúde, André Luiz, durante oficina dirigida aos conselheiros de saúde. A 3ª etapa da Oficina de Formação e Controle Social sobre Informação e Comunicação ocorreu na sexta-feira (21) e as suas últimas etapas ocorrerão em dezembro.

A oficina é fruto de ação integrada entre o Conselho Municipal de Saúde (CMS) e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Para o representante do Ministério da Saúde, o conselheiro, como co-responsável nas decisões e representante da sociedade, precisa estar qualificado para a interlocução com a gestão e a sociedade.

André Luiz disse que a informação no âmbito da gestão de saúde pode ser caracterizada como um instrumento de apoio ao processo decisório, possibilitando o conhecimento da realidade sócio-sanitária, epidemiológica, gerencial, democrática e orçamentária, subsidiando ações de governo e políticas públicas em saúde. “É um desafio mundial, diante da velocidade da informação com o advento da internet, saber quais dados precisam ser utilizados e como utilizá-los na tomada de decisões”, defende.

O representante do MS explicou que muitos Estados e Municípios encontram dificuldades em relação aos processos de gestão e financiamento público na saúde. Já alguns gestores vêm conseguindo vencer essa barreira. Ele avaliou que a cidade de João Pessoa vive “momento ímpar, investindo em novas práticas de gestão, abrindo diálogo com lideranças locais, formando os conselheiros e reestruturando a rede básica e hospitalar de saúde. Nesse caminho, João Pessoa se tornará referência nacional de saúde”, avalia.

O técnico da Gerência de Educação em Saúde, Volmir Brutscher, destacou que a capacitação possibilita que os conselheiros tenham uma compreensão mais ampla do sistema de saúde. “São elementos importantes para a formação de um conselheiro propositor de políticas públicas e não apenas fiscalizador. Até porque para fiscalizar é preciso conhecer sobre planejamento, financiamento público e burocracia e entender que, por mais que o gestor tenha boa vontade e capacidade técnica, nem tudo está ao seu alcance”, explica.

A capacitação dos conselheiros de saúde é destinada a qualificar os conselheiros no sentido de desenvolverem ações de fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Desde outubro, já foram realizadas oficinas sobre ‘SUS e participação popular’, ‘Financiamento da saúde’ e ‘Informação e comunicação em saúde’. Segundo informou a secretária executiva do Conselho Municipal de Saúde, Carla Giane de Brito, a última etapa da oficina acontecerá no dia 5 de dezembro, sobre avaliação das atividades do Conselho Municipal de Saúde, e nos dias 12 e 13 de dezembro, sobre o planejamento das ações do conselho para o biênio 2009/2010.