CPPM realizará a aposição de placa do Centro de Referência

Por - em 20

A Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres (CPPM) da Prefeitura Municipal de João Pessoa realizará nesta segunda-feira (16) a aposição da placa que nomeia o Centro de Referência da Mulher ‘ Ednalva Bezerra’. O evento, que faz parte da programação ‘Cidadania Ativa para as Mulheres’, será realizado às 10h, na avenida Coremas, 141, Centro.

De acordo com Douraci Vieira dos Santos, secretária de Políticas para as Mulheres, a homenagem é um reconhecimento à trajetória de luta de Ednalva Bezerra no campo dos direitos humanos das mulheres, bem como, atende a uma demanda do movimento de mulheres da Paraíba. “Ednalva, além de ter sido uma feminista e sindicalista histórica, é para nós uma figura que representa a luta pelos direitos das mulheres. Ednalva morreu quatro dias antes da inauguração do Centro de Referência da Mulher e o movimento feminista local refletiu com a Coordenadoria a possibilidade de prestar essa homenagem a essa grande lutadora”, observou a secretária.

Centro de Referência da Mulher – o serviço foi inaugurado no dia 14 de setembro de 2007 e conta com uma equipe multiprofissional, formada por psicólogas, assistentes sociais, advogada e educadoras. De acordo com dados levantados pelo Centro, o serviço atende, em média, 24 novos casos a cada mês. A violência doméstica é a principal causa dos atendimentos, chegando a 86%. O Centro de Referência da Mulher funciona de segunda a sexta, de 7hs às 19hs, e possui serviço gratuito 24 horas, através do telefone 0800 283 3883, com informações e encaminhamentos necessários.

Maria Ednalva Bezerra de Lima – paraibana, professora licenciada em Letras com especialização em Educação. Atuou no movimento sindical e feminista, chegando a Direção Executiva Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), ocupando também, o cargo de Secretária Nacional das Mulheres Trabalhadoras da mesma entidade. Ednalva representava ainda a CUT no Conselho da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República e na Comissão de Igualdade de Oportunidades e de Tratamento de Gênero e Raça no Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.
Nos espaços onde atuava, fez diversas contribuições na luta contra a violência a mulher e na defesa dos direitos trabalhistas e humanos das mulheres. “Para fugir da discriminação sofrida diariamente por milhares de mulheres é importante solidificar políticas que melhorem as condições de vida, assim como, estabelecer mecanismos que rompam com o ‘machismo’ que ainda domina o mercado de trabalho”, discursava Ednalva Bezerra. A militante faleceu, aos 47 anos, no dia 10 de setembro de 2007, vítima de uma infecção provocada por meningite, em São Paulo.