Curso capacita profissionais de transporte escolar da Capital

Por - em 81

Vinte e cinco profissionais receberam nesta terça-feira (16) o certificado de conclusão do curso de capacitação e qualificação em transporte escolar, ministrado pelo sistema Sest/Senat (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem de Transporte) com o apoio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável da Produção (Sedesp). A entrega dos certificados aconteceu na Sedesp, com a presença de representantes do Sest/Senat e da STTrans (Superintendência de Transporte e Trânsito de João Pessoa).

Realizado entre os dias 11 e 15 de janeiro, o curso atendeu filiados da Cooperativa de Transporte Escolar (Coopevans) e do Sindicato do Transporte Escolar de João Pessoa. “O curso é uma exigência do Código Nacional de Trânsito e custaria R$ 180,00 por pessoa, caso não tivéssemos firmado esta parceria”, explica o diretor administrativo da Coopevans, Frans Liszt. Com o apoio da Sedesp, os participantes não precisaram pagar pela qualificação. “Por isso esse tipo de iniciativa é tão importante”, complementa Liszt.

O diretor de Fomento da Sedesp, Ruy Ribeiro, declarou que a ação faz parte da meta da Secretaria de fortalecer o cooperativo e o associativismo. “De forma que haja uma participação mais ativa dos pequenos grupos na economia do município”. De acordo com ele, o Empreender-JP (Programa Municipal de Apoio aos Pequenos Negócios) vai conceder empréstimo aos cooperados do setor de transporte escolar para manutenção dos veículos. O crédito, no valor de até dez salários mínimos, oferece juros de apenas 0,9% ao mês, os menores do mercado.

400 profissionais – Segundo a STTrans, existem registrados hoje, na Capital, 400 profissionais de transporte escolar. Um dos principais problemas enfrentados pelo setor é a atuação de clandestinos. O sindicato da categoria estima que 50 carros circulem de maneira irregular na cidade, sem o registro da prefeitura.

Na análise da coordenadora de Desenvolvimento Profissional do Sest/Senat, Adriana Farias Almeida Nóbrega, os profissionais não capacitados tornam-se um perigo. “Eles não têm foco na direção defensiva e ficam inseguros no tocante à legislação de trânsito. E, no caso do transporte escolar, que lida com crianças e adolescentes, o profissional precisa conhecer, inclusive, técnicas de relações interpessoais”.

Ela destaca o fato do curso promovido para os cooperados ter utilizado técnicas diversas para tornar o aprendizado mais eficiente. “Os alunos puderam trazer casos do seu cotidiano, fizeram filmagens, participaram de teatro. Foi um curso muito dinâmico”, afirmou.

De acordo com o chefe de Divisão de Transportes Especiais da STTrans, Leonardo Albuquerque Campos, a Superintendência de Transporte tem papel fiscalizador, mas também estimula a capacitação e qualificação dos motoristas profissionais. “A STTrans busca mostrar que não basta ter um veículo novo. Tem que se capacitar, saber atender os pai e, principalmente, preocupar-se com segurança. O item mais importante é a segurança”, lembra Leonardo Campos.