Defesa Civil define plano de simulação de resgate em situação de desastre

Por - em 68

Mais de 200 pessoas vão participar da simulação de resgate em situação de desastre, que será realizada pela Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec), neste sábado (5), na comunidade do Timbó, por determinação da Defesa Civil Nacional. As ações servirão de base para a elaboração do plano de contingenciamento de situações de risco real na cidade de João Pessoa. Moradores da localidade também participarão ativamente da ação. Em reunião na manhã desta quarta-feira (2), todos os órgãos envolvidos na simulação definiram os últimos detalhes para a operação.

De acordo com o coordenador da Comdec, Noé Estrela, a ação não tem hora para começar porque o objetivo é lidar com a imprevisibilidade dos alagamentos e dos deslizamentos que podem ocorrer nas áreas de risco da Capital.

“Temos 34 pontos vulneráveis na cidade, com 12 áreas sensíveis, então estamos nos preparando desde o ano passado, visitando estas localidades para avaliar os riscos. Escolhemos a comunidade do Timbó por haver famílias próximas a áreas de deslizamento e próxima ao rio Timbó, passível de deslizamento”, explicou ele.

Agenda – Nesta quinta-feira (3), as equipes da ação vão se reunir com os moradores que vão participar da operação, no salão paroquial da igreja da comunidade, às 9h.

O coordenador da Defesa Civil Estadual, José Walber Rufino, que está apoiando a operação, destacou o papel da comunidade na simulação de resgate. “Nós vamos testar se nossa ação vai responder corretamente às necessidades de um momento em que há excesso de chuvas e famílias em situação de risco, com deslizamentos ou alagamentos nas comunidades. A forma como procedermos será adotada como modelo de ação”, frisou Rufino.

De acordo com Noé Estrela, além das 30 famílias da comunidade do Timbó que estão em real área de risco, somando 146 pessoas, os órgãos envolvidos no contingenciamento de catástrofes na cidade vão disponibilizar mais de 50 pessoas para atuar no socorro e atendimento às vítimas.

O coordenador da Defesa Civil Municipal disse que a operação terá duração de cinco horas e que o aviso sobre seu início será dado por meio da Defesa Civil Nacional, a qualquer hora desta sábado (5).

“Nós vamos avisar o líder da comunidade para que acione o alarme e simule os procedimentos. O líder vai nos ligar e nós vamos comunicar os demais órgãos envolvidos, que deverão se dirigir para lá imediatamente, onde montaremos um posto de comando, que vai servir de base de operações”, frisou ele.

Participantes da ação

Secretaria de Desenvolvimento Social – de posse da identificação e relação das famílias afetadas, será feito o encaminhamento para o abrigo escolhido. Na simulação, será a Escola Olívio Ribeiro Campos.

Guarda Municipal – segurança das famílias e das equipes, tanto na comunidade, como no abrigo, além da vigilância das residências desocupadas, que deverão ser interditadas.

Secretaria de Saúde – atendimento inicial na comunidade, no abrigo e na rede hospitalar, se necessário. Serão disponibilizadas duas ambulâncias do Samu, além da montagem de duas tendas para triagem das vítimas, que poderão ser encaminhadas diretamente para atendimento no abrigo, ou para o Ortotrauma (Trauminha), por ser o mais próximo da região. Com relação aos animais, o Centro de Zoonoses vai disponibilizar uma carrocinha para abrigá-los temporariamente.

Corpo de Bombeiros – socorro às famílias com casas interditadas, ajudando na retirada dos pertences e na locomoção de pessoas enfermas.

Secretaria de Desenvolvimento Urbano – retirada das famílias, com alguns móveis, para o abrigo.

Secretaria de Infraestrutura e Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) – retirada de solo e entulho das vias para melhorar o tráfego dos veículos que participam da simulação.

Superintendência de Mobilidade Urbana – sinalização das vias interditadas e indicação do melhor acesso das vias que cheguem ao abrigo ou local seguro.

Energisa – desligamento da rede elétrica das moradias interditadas. A empresa vai disponibilizar um gerador móvel para participar da ação.

Secretaria de Meio Ambiente – corte ou poda de árvores que ameacem as moradias, fiação elétrica e acesso das equipes ao local de resgate.

Polícia Militar – segurança da população local e das equipes de apoio.

Coordenadoria Estadual de Defesa Civil – apoio à Comdec em todo o processo de simulação.