Defesa Civil simula resgate em situação de desastre

Por - em 77

A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) da Prefeitura de João Pessoa (PMJP) vai participar de uma simulação de resgate em situação de desastre da Defesa Civil Nacional. A ação vai ocorrer neste sábado (5) na comunidade do Timbó, que possui áreas de possível alagamento e de deslizamento, e vai reunir todos os órgãos que fazem parte do plano de contingência para a prevenção de chuvas na cidade.

A Comdec já começou os preparativos da simulação, que vai envolver 30 famílias que moram nas áreas de risco. “O Timbó possui pontos de alagamento nas casas que estão às margens do Rio Timbó, que está assoreado e, em outro local há risco de desabamento de barreira, que está desgastada, oferecendo riscos às famílias que estão no entorno”, diz Noé Estrela, coordenador da Defesa Civil.

Ele explica que a simulação vai ocorrer em todo o Nordeste, simultaneamente, em uma ação da Defesa Civil Nacional. “Nós não sabemos o horário porque não há hora para que desastres ocorram, então esta capacidade de lidar com o imediatismo, com a emergência é justamente o objetivo da ação”, frisa o coordenador.

Nesta quarta-feira (2), às 9h, haverá uma reunião no auditório do Paço Municipal para que os órgãos que vão participar da simulação definam sua participação, no que se refere a recursos humanos e equipamentos. No dia seguinte, no mesmo horário, haverá uma reunião com as 30 famílias moradoras da comunidade, no Centro de Treinamento da Igreja Católica, no Timbó.

“Faremos simulação nas áreas de alagamento e de deslizamento, daí vamos retirar as famílias das casas, interditar os imóveis e levar as pessoas para abrigos, para que depois possam ser inscritas no cadastro de habitação da PMJP e ser beneficiadas com o auxílio-moradia”, explica Noé Estrela.

A operação – A Comdec será acionada pela Defesa Civil Nacional a qualquer hora deste sábado (5) e vai avisar aos demais órgãos participantes sobre o início da simulação. Será montado um posto de comando na comunidade, que vai servir de base de operações.

Noé Estrela esclarece que a operacionalização da simulação vai servir de modelo para necessidades futuras de ação. “Teremos o cadastro real de pessoas nas casas em áreas de risco para calcularmos a quantidade necessária de abrigos. Teremos até informações sobre o número de animais, para que o Centro de Zoonoses possa recolhê-los em uma situação emergencial, por exemplo”.

Os órgão envolvidos já fizeram um mapeamento da região, identificando os locais mais críticos e as rotas que vão usar para se deslocar. No caso das famílias, algumas vão atuar tranquilamente, aceitando a retirada para os abrigos, enquanto outras serão aquelas que se recusarão a deixar a comunidade.

As secretarias envolvidas nesse treinamento são: Desenvolvimento Social (Sedes), Saúde (SMS), Comunicação (Secom), Infraestrutura (Seinfra), Gestão Governamental e Articulação Política (Segap), Meio Ambiente (Semam); Superintendência de Mobilidade Urbana (Semob), Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) e Guarda Municipal. Além destes, há os parceiros necessários nesse tipo de situação como o Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Energisa e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e Defesa Civil Estadual.

Agenda

Quarta-feira (2)

Reunião para definição dos agentes e equipamentos por cada órgão

Horário – 9h

Local – Auditório do Paço Municipal

Quinta-feira (3)

Reunião com as 30 famílias envolvidas na simulação

Horário – 9h

Local – Centro de Treinamento da Igreja Católica, no Timbó

Sábado (5)

Simulação de resgate em desastre

Horário – imprevisível

Local – Comunidade do Timbó