Delphine II, “Rainha do Slam” faz show na Estação Cabo Branco

Por - em 34

Você sabe o que é Slam? Então não perca a oportunidade de conhecer esta expressão atual de poesia urbana e música com a consagrada slameuse francesa Delphine II, que se apresenta nesta sexta-feira(13), às 17h30, na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes. O show faz parte das comemorações do ano da França no Brasil, realizadas na capital por meio de parceria entre a Estação Cabo Branco, Aliança Francesa, Funjope e UFPB. A entrada é franca.

Nascida em Paris, em 1976, com o pai de Camarões (África) e a mãe de Guadalupe (Antilhas), Delphine II convive entre as três culturas com desenvoltura. Após uma carreira comercial, ela fez cursos de teatro no TAN (Théâtre de l’ Air Nouveau), onde conheceu sua futura diretora Carlotta Nevscki.

Aberta a aventuras enriquecedoras, Delphine se enveredou pelo cinema, pelo teatro, e representou seu primeiro “One womam show”, com o título “Chuis la seule ou quoi”, de sua própria autoria.

Uma mistura impressionante de humor, de revolta e de ternura, Delphine II possui múltiplos talentos, além de uma formidável energia que ela decidiu dedicar completamente à sua arte.

Sensível, ela se exprime por intermédio do SLAM e dos textos que escreve para suas performances no palco. Em suas criações ela explora e questiona suas identidades francesa, negra e de mulher, ao mesmo tempo em que recusa a se fechar em uma delas.

Antes de tudo “slameuse”, antes de ser humorista, Delphine II é, sem dúvida alguma, uma artista para se descobrir e amar.

Slam – Um tipo de arte de expressão popular. O SLAM é comparado aos “repentistas”, pela sua mistura entre poesia declamada e muito ritmada, as apresentações de SLAM são como desafios entre os participantes, mas, ao contrário do “repente”, raramente são improvisadas e os participantes recitam textos próprios previamente escritos.

Inicialmente à margem dos circuitos artísticos tradicionais, é um espetáculo oral e cênico focado nas palavras e na expressão bruta.
Apesar de existir a noção de desafio entres os “slamers”, geralmente, não há competição entre eles. Cada um, artista ou não, participa pelo prazer de compartilhar o seu texto, se entregar, transmitir emoção pela palavra, pela voz e pelo corpo.

Os objetivos das apresentações são a convivência, o respeito por intermédio da escuta dos outros e a expressão de si através dos princípios de liberdade e de diversidade social e literária.

O slam é uma arte de performance poética, é um elo entre a escrita e a expressão oral, encorajando os poetas a se concentrarem no que eles dizem e como eles o dizem, sendo aberta a todos, de todos os estilos, meios sociais, gerações e sexos.