Direção do Ortotrauma explica intoxicação e anuncia medidas

Por - em 33

A direção do Hospital Ortotrauma de Mangabeira já instaurou procedimento para investigar as causas da intoxicação alimentar que atingiu cerca de 60 pessoas, entre acompanhantes e funcionários, na segunda-feira (9), à noite. Por enquanto, já foi descartada a hipótese de a infecção ter sido causada pela bactéria salmonela. As pessoas atingidas pela intoxicação foram atendidas imediatamente, já receberam alta e passam bem. Os pacientes não foram afetados.

Ainda durante a noite foram recolhidas amostras da refeição, água, maionese, vômitos e fezes para avaliação da Vigilância Sanitária. O gerente da Vigilância Sanitária Municipal, Ivanildo Brasileiro, explicou que um inquérito epidemiológico já foi aberto. Já as amostras de fezes foram encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública, para realização de uma coprocultura. O resultado dos exames deve ser divulgado em cinco dias. O diretor Técnico do Ortotrauma, Paulo Lucena, explicou que a Vigilância Sanitária já realizou inspeção nas cozinhas do hospital nenhuma anormalidade foi constatada.

Ele explicou que a contaminação pode ter sido provocada por um frango utilizado no salpicão que foi servido aos acompanhantes e funcionários do hospital. O alimento estava na cozinha industrial. O Ortotrauma tem três cozinhas , a dietética para pacientes com restrições na alimentação, a enteral para os que se alimentam de forma líquida e a cozinha industrial, que fornece alimentos para funcionários e acompanhantes.

As pessoas foram levadas para dois ambientes da Emergência e foram atendidas por seis médicos. e que os afetados já foram entrevistados. Segundo Brasileiro, os pacientes já foram entrevistados. Através das entrevistas, poderá ser identificado qual o alimento causou o surto. A coprocultura, segundo Brasileiro, auxilia o clínico no diagnóstico da etiologia de diarréias bacterianas, por meio do isolamento de patógenos entéricos.

A direção do hospital está realizando um processo interno para avaliar os possíveis erros. Nós suspeitamos de que as toxinas responsáveis pela intoxicação estejam no frango utilizado no salpicão, mas só poderemos precisar a informação após a entrega dos exames, explicou Paulo Lucena.