Domésticas participam de turma da Eja e realizam sonho de aprender a ler e escrever

Por - em 80

Vinte trabalhadoras domésticas começaram a frequentar neste mês, na Escola Municipal Luis Augusto Crispim, Bairro dos Ipês, as aulas do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), da Prefeitura de João Pessoa. O projeto pioneiro é realizado pelas Secretarias de Políticas Públicas para as Mulheres e Educação, em parceria com o Sindicato das Trabalhadoras Domésticas.

As aulas de alfabetização do EJA acontecem de segunda a sexta, das 06h30 às 21h30. Para os próximos meses, já estão sendo programados alguns cursos de qualificação do trabalho doméstico, com aulas práticas nas sextas-feiras.

A iniciativa do Projeto é uma ação do Programa de formação Cidadã para as Trabalhadoras Domésticas, da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, que desde 2006 vem desenvolvendo ações de formação política e de qualificação profissional. A alfabetização das domésticas é uma experiência piloto em sala descentralizada da EJA, que também irá qualificar as trabalhadoras com aulas práticas e oficinas voltadas ao aprimoramento do trabalho doméstico.

Segundo a coordenadora da EJA, Cidilene Cezar, a ideia de desenvolver o programa com uma turma específica partiu da própria categoria, que percebeu a necessidade da alfabetização de muitas trabalhadoras. “A proposta é estabelecer um mecanismo diferenciado de aprendizado para as trabalhadoras, que além de serem alfabetizadas também serão qualificadas dentro da profissão”.

Participação – O curso tem tido uma boa aceitação. “Meu maior sonho é chegar a qualquer lugar e poder ler o que eu quiser. Sempre tive vontade de voltar a estudar, mas nunca tive estímulo suficiente pra isso. Agora, com a turma específica de domésticas, meu maior desejo é deixar de ser analfabeta”, disse a doméstica Maria José, destacando que está muito empolgada com a iniciação à alfabetização e tem muitos sonhos na vida. “Poder pegar ônibus sem pedir ajuda pra alguém ler pra mim, poder assinar meu nome em qualquer papel sem precisar usar as digitais. Isso é muito importante pra qualquer pessoa e agora sei que vou conseguir. Estou muito feliz”.

A doméstica mais idosa da turma, Josefa Cassiano, disse sonhar em um dia poder escrever a própria história de vida. “Um dia vou escrever a minha própria história. Estou com 64 anos de vida e digo a todos que não sabem ler e escrever que na vida nunca é tarde para se começar qualquer coisa neste mundo”, observou.

Dona Josefa Cassiano contou que sempre teve muita dificuldade para aprender a escrever, mas se sente muito feliz pela oportunidade única que veio através do convite do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas. “Quando recebi a ligação da presidente do Sindicato sobre o curso, não medi palavras e disse que iria estudar e me formar na vida”, disse Dona Josefa, incentivando as demais colegas e outras que ainda não conhecem o projeto.

Além de ter trabalhado durante 34 anos como doméstica, Dona Josefa também é artesã e desenvolve trabalhos manuais com fuxicos e bonecas de pano.

Qualificação – A presidente do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de João Pessoa, Glória Rejane, que também está fazendo parte da turma do EJA, disse que a iniciativa da prefeitura irá proporcionar novas perspectivas de vida para todas as domésticas do curso. “Nós estamos muito felizes pela iniciativa e gratificadas em saber que muitas aqui sairão alfabetizadas e, quem sabe, com novas perspectivas profissionais”.

A maioria das alunas ingressou na primeira fase da EJA, que é o Ciclo 1, de iniciação à alfabetização. A previsão de conclusão do ensino fundamental é de quatro anos.