Ecarte encerra atividades alusivas aos 22 anos do ECA

Por - em 37

Crianças e adolescentes do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) e Projovem atendidos pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), foram os protagonistas do 5º Ecarte – Estatuto da Criança e do Adolescente através da Arte, realizado na última sexta-feira (31), no auditório do Centro Administrativo Municipal. O evento encerrou as atividades alusivas aos 22 anos do ECA.

A programação constou de uma exposição de artes visuais instalada no hall do auditório, além de apresentações artísticas de dança, música, teatro e literatura. “Meio ambiente, lugar onde se vive” foi o tema trabalhado em comum por todos os grupos, com a ajuda dos educadores sociais. O Peti de Cruz das Armas abriu a programação, com um grupo de percussão e flauta formado por 23 crianças e adolescentes. Através de uma performance musical que incluiu xote e maracatu, deixaram uma mensagem contra a poluição e o desperdício e uma reflexão sobre os cuidados com o lixo produzido nas cidades.

Depois foi a vez do Projovem também do bairro. O grupo de artes cênicas Tempos Modernos trouxe à tona a questão do preconceito, manifestada em suas mais variadas formas. Tendo como tema a música “Tempos modernos”, de Lulu Santos, eles deixaram sua mensagem contra a violência, a hipocrisia e a discriminação.

Outros núcleos – O grupo Embolada Caras Novas, do Peti Mumbaba, foi o terceiro a se apresentar. Nove crianças e adolescentes cantaram e tocaram, no compasso de pandeiros, a importância da educação ambiental e da prevenção de enchentes. Eles também fizeram uma reflexão contra o preconceito racial, a corrupção e a pedofilia e um clamor pela justiça social.

A música “Eu só quero um xodó”, de autoria de Dominguinhos, foi o tema escolhido pelo grupo de percussão e flauta do Peti das Aldeias Infantis SOS. A música foi interpretada por uma flautista, que fez o solo. O grupo, composto por 30 crianças, encerrou a apresentação executando “Meu sublime torrão”, de Genival Macêdo.

O TMC, grupo de hip hop do Projovem de Mangabeira, foi o sexto a subir ao palco. Depois foi a vez do grupo de hip hop do Peti do Centro Livre Meninada I e do CRC de Mandacaru. Ao som marcante que caracteriza esse gênero musical, 15 adolescentes chamaram a atenção do público para temas como destruição e consciência ambiental, reciclagem, violência urbana e drogas.

O grupo de dança popular do Projovem do Cras de Mandacaru levou a cultura regional para o 5º Ecarte. Através da apresentação de cocos, ciranda, capoeira e maculeIê, eles chamaram a atenção para a importância da valorização da identidade negra. O Peti do Centro Livre Meninada II optou por uma apresentação que incluiu músicas da paraibana Elba Ramalho, Genival Macêdo e Luiz Gonzaga.

O hip hop voltou ao palco com a apresentação do grupo Urban Kings, do Projovem de Mandacaru. A décima e última apresentação da tarde ficou por conta da percussão do Centro Livre Meninada III. Formado em sua maioria por meninas, o grupo encerrou o evento, convidando todos a entrarem na roda para dançar ciranda.