Educadores da Emlur explicam coleta seletiva em escola de Cruz das Armas

Por - em 31

Os educadores ambientais da Autarquia Especial de Limpeza Urbana (Emlur) levaram informações sobre a coleta seletiva para 482 alunos da Escola Municipal Almirante Barroso, no bairro de Cruz das Armas. Os técnicos apresentaram aos estudantes o projeto ‘Santo de Casa faz Milagre’, que explica essa forma de separação de resíduos em repartições públicas e instituições de ensino municipais.

Durante a palestra, os alunos receberam informações sobre o meio ambiente e aprenderam que mudanças de posturas podem fazer a diferença quando o assunto é preservação. Os técnicos ainda mostraram para os jovens como é fácil fazer a coleta seletiva e apresentaram para eles as cores dos recipientes para que a separação dos resíduos seja realizada. O plástico, conforme explicaram, deve ficar no recipiente vermelho, o papel no azul, o vidro no verde e o metal no amarelo. Já no recipiente marrom deve ser depositado todo o material orgânico.

“Outro tema que abordamos durante as nossas palestras é o fato da coleta seletiva gerar renda para várias famílias de João Pessoa, que vivem da venda de material reciclável”, lembrou a superintendente da Emlur, Laura Farias Gualberto.

A diretora da escola, Maria da Penha, destacou que essa foi a primeira vez que a Emlur visitou a escola para ministrar palestra sobre coleta seletiva. Ela afirmou que a atividade foi de extrema importância para a instituição de ensino e para a comunidade. “Com esta palestra esperamos atingir de forma educadora não só todos os alunos e professores, mas também os pais e toda a comunidade”, comentou, acrescentando que depois dessa sensibilização a escola dará continuidade a atividades educativas de preservação do meio ambiente e coleta. “Iremos reciclar idéias para podermos colocar na prática que é importante preservar e reciclar, disse.

O aluno da 1ª série, Arthur Araújo, de 7 anos, afirmou que acha muito importante fazer a separação correta do lixo. “Não dá para ver as ruas terrenos, praças e praias sujas. Lá em casa minha mãe separa o lixo direitinho. Adoro o verde a natureza o ar puro e fico triste quando saio para passear e vejo sujeira em rios e floresta. Cada pessoa tem que fazer um pouquinho para podermos ter uma vida melhor”, comentou.