Elza Soares e Mira Maya abrem projeto Seis e Meia de outubro

Por - em 54

O Projeto Seis e Meia do mês de outubro começa em grande estilo nesta quarta-feira, dia 07, com o show da irreverente cantora carioca Elza Soares. Dona de uma das vozes mais marcantes da MPB, a artista tem mais de 50 anos de carreira com forte atuação no Brasil e no exterior. A abertura do evento será feita pela cantora paraibana Mira Maya, que pertence à nova safra de talentos da Capital.

O Projeto Seis e Meia é promovido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) em parceria com a Accorde Produções e recebe o apoio cultural do Ambassador Flat e dos restaurantes Peixe Elétrico, Vila Cariri, O Cubata e Cia do Chopp. As apresentações começam às 18h30, na Praça de Eventos do MAG Shopping, na Praia de Manaíra. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia entrada) e podem ser comprados antecipadamente ou na hora do evento no posto de vendas montado no primeiro piso do MAG. Informações 9134-7610.
 
Elza Soares – A sambista Elza Soares nasceu em uma favela do Rio de Janeiro e aos 13 anos de idade já era mãe. Participou do programa de calouros de Ary Barroso e chegou a ganhar a nota máxima. No final da década de 50 fez uma turnê com Mercedes Batista, na Argentina, e por lá ficou durante um ano.

Seu primeiro sucesso veio com o compacto Se Acaso Você Chegasse (Lupicínio Rodrigues/F. Martins), onde introduzia um scat à la Louis Armstrong, injetando uma ‘jazzificação’ no samba divergente da Bossa Nova. Em seguida mudou-se para São Paulo, onde passou a se apresentar em teatros e casas noturnas.

Depois de gravar seu 2º disco, Bossa Negra, viajou ao Chile em 1962, como representante do Brasil na Copa do Mundo. Foi aí, então, que conheceu o jogador Mané Garrincha, que veio a ser seu marido durante anos.

Alguns sucessos ainda da década de 60 foram Sambou, Sambou (J. Melo/J. Donato), Mulata Assanhada (Ataulfo Alves), Devagar com a Louça (Haroldo Barbosa/Luiz Reis), entre outras. Em 1970, numa viagem à Itália, gravou Que Maravilha (Jorge Ben) e Máscara Negra (Zé Kéti). Também ficaram populares suas interpretações de Maria-vai-com-as-outras (Vinicius/Toquinho) e Saltei de Banda (Zé Rodrix/Luiz C. Sá).

Nos anos 70, o sucesso continuou com Salve a Mocidade e Malandro, quando lançou Jorge Aragão. Nos anos 80, quase se afastou da carreira até que Caetano Veloso a convidou para gravar a música Língua, em dueto com ele. Depois disso, gravou mais dois LPs, em 85 e 88. Passou uma temporada nos Estados Unidos e, em meados dos anos 90, voltou com força total atuando em diversos shows, especialmente no Rio de Janeiro. Lançou, finalmente, mais dois CDs: Trajetória (97) e Carioca da Gema (Ao Vivo) (99).

Em 2000 ganhou o prêmio de Cantora do Milênio, conferido pela BBC de Londres, e naquela cidade apresentou-se num show ao lado de Gal Costa, Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Virgínia Rodrigues.

Com seu estilo despachado e exagerado, conquistou platéias no Brasil e no mundo, passando temporadas nos Estados Unidos e Europa. Elza Soares é, sem dúvida, um dos mais importantes nomes da Música Popular Brasileira.
 
Mira Maya
 – A cantora faz parte da nova safra de intérpretes da música paraibana.  Já transitou por diversos segmentos musicais, o que lhe conferiu bagagem para a construção de seu próprio perfil como artista.

A proposta do seu trabalho é mesclar suas influências mais fortes com estilos próprios de criação. O resultado disso é uma sonoridade bastante envolvente e particular. Já participou de alguns festivais e realizou diversos shows, tendo sempre uma receptividade muito positiva por parte do público e da crítica especializada. Atualmente está produzindo seu primeiro CD, intitulado “Juízo Final”.