Emlur amplia rede de multiplicadores em educação ambiental na Capital

Por - em 27

A rede de multiplicadores em educação ambiental, que começou a ser formada no ano passado pela Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), ganhará mais 26 integrantes esta semana. Um representante do Bairro Cidade Universitária, Maurício Vicente de Morais, que participou da formação inicial realizada em novembro de 2007, está repassando o que aprendeu para outras pessoas. A atividade estava sendo realizada no Centro de Zoonoses e foi concluída na tarde dessa quinta-feira (14).

Esse é o segundo curso que está sendo ministrado pelos multiplicadores formados no mês de novembro do ano passado pela Emlur. O primeiro foi realizado em Gramame e contou com a participação de 20 pessoas. Outras atividades dessa natureza já estão agendadas e a meta da Autarquia de Limpeza é de uma rede de multiplicadores integrando cerca de mil pessoas.

O multiplicador Maurício de Morais disse achar muito importante a experiência de ministrar pela primeira vez uma palestra de educação ambiental. “Esse contato com a comunidade só vem enriquecer mais meus conhecimentos e, ao mesmo tempo, ter a oportunidade de interagir com as pessoas que têm um cuidado especial com o meio ambiente”, comentou.

De acordo com Maurício, o objetivo do projeto é mostrar e alertar a sociedade para o problema que vem enfrentando o meio ambiente e que a solução para ele é de responsabilidade de todos. “Se unirmos poder público, sociedade e iniciativa privada, podemos melhorar em muito o nosso país”, observou. Ele ainda disse que estava muito satisfeito em poder passar um pouco do que aprendeu para outras pessoas. “Eu só tenho a agradecer a oportunidade que estou tendo de transmitir tudo que aprendi na teoria e na prática de forma clara e transparente”, ressaltou.

A superintendente da Emlur, Laura Farias Gualberto, explicou que cada pessoa sensibilizada fica responsável pela elaboração de um plano de meta e nele são apontados os problemas da comunidade onde vive e atua, bem como o que irá fazer para solucioná-los. “Durante a sensibilização, os participantes recebem informações sobre educação ambiental, ecossistemas urbanos, consumo, desenvolvimento sustentável, resíduos sólidos, saneamento ambiental, os ‘três erres’ (reciclar, reutilizar e reduzir o consumo), coleta seletiva e transformação do lixo em energia”, explicou.

Os participantes do curso respondem a questionários sobre a realidade da comunidade onde vivem, participam de dinâmica e assistem a vídeos. Ao final, fazem um diagnóstico dos problemas das comunidades, aplicam a matriz GUT (gravidade, urgência, tendência) para definir prioridades e elaboraram o plano de metas. “Além de apontar os problemas ambientais das áreas onde atuam, esses multiplicadores ficaram responsáveis pela formação de no mínimo outras 15 pessoas”, contou o diretor administrativo da Emlur, Coriolano Coutinho.

Coriolano lembrou ainda que a Emlur fornece o material necessário, como vídeos e apostilas, para que as sensibilizações sejam realizadas. “Além disso, os educadores ambientais acompanham o processo como espectadores, uma vez que o nosso objetivo principal é tornar esses multiplicadores protagonistas, para que atuem apontando os problemas e as soluções para eles”, contou.