Emlur faz limpeza do Jaguaribe em trecho do Castelo Branco

Por - em 29

A Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) está intensificando a limpeza superficial do rio Jaguaribe. Nesta quinta-feira (22), a operação chegou ao trecho do rio que fica entre a avenida Tito Silva, lado direito no sentido Castelo Branco/ Miramar, e a BR-230. A ação faz parte do trabalho preventivo de limpeza no rio, retirando a vegetação aquática e o lixo para melhorar a fluidez das águas, minimizando os transtornos que possam ocorrer nas comunidades ribeirinhas com as chuvas.

O serviço na avenida Tito Silva, que deve durar pelo menos 15 dias devido as dificuldades naturais, conta com uma equipe de 15 homens, uma retroescavadeira, caminhões caçamba e um barco, além de equipamentos manuais. Um outro grupo de agentes de limpeza permanece no trecho do rio Jaguaribe que corta o Cristo Redentor e Cruz das Armas concluindo a limpeza do corpo d’água. Desse trecho, a Emlur já recolheu mais de 200 toneladas de lixo e vegetação.

A operação, de acordo com o superintendente interino da Emlur, Orlando Soares, será feita em todo o rio Jaguaribe, desde sua foz até a nascente, numa extensão de 13,5 km, beneficiando toda a população ribeirinha. “Queremos avançar o máximo possível na limpeza do rio”, afirmou. Na programação, o próximo trecho a ser limpo será entre a Avenida Epitácio Pessoa e a Beira Rio. Em seguida, a ação acontecerá no Bairro São José.

Moradores aprovam – Quem mora na área ribeirinha sabe, basta chover para começarem os transtornos. Que o diga a dona de casa Marluce Dantas, moradora há 34 anos da rua Xavier Júnior, que divide o Cristo e Cruz das Armas. “Antigamente o rio era uma beleza, bem limpinho, dava até para tomar banho”. Esse era o estado do leito do Jaguaribe quando dona Marluce Dantas de Brito construiu sua casa às margens do rio. Ela sabe que vive numa área de risco, mas que prefere ver uma enchente a ter o rio poluído, cheio de lixo e entulho. “Hoje tenho até medo de molhar a mão e ela cair de tão poluída que está essa água”, relatou a moradora.

Marluce Dantas afirma que já se cansou de observar moradores da própria rua Xavier Júnior depositando resíduos no rio. “Existe aqui uma placa informando que é proibido jogar lixo, mas as pessoas nem ligam”, contou ela irritada. A moradora, por muitas vezes, tentou conversar com essas pessoas, tentando sensibilizá-las sobre a importância da manutenção da limpeza da área. “Quando eu falo que não pode jogar lixo aqui, as pessoas dizem que o rio não é meu. Ora, o rio é de todos e é por entender isso que até reclamo se vejo alguém poluindo as suas águas”, disse.

Ela agradeceu à Emlur pelo trabalho de retirada do lixo que vem sendo feito em toda a extensão do rio. “É uma ação muito importante para nós que moramos próximo às margens do rio”, disse a moradora ribeirinha. Ela confirmou que a coleta do lixo é feita regularmente pela Emlur e lamentou o fato dos ribeirinhos não terem consciência de que eles próprios contribuem com os transtornos causados pelas chuvas, quando jogam lixo dentro do rio.

Além de poluir o rio, o lixo promove o entupimento de galerias, impedindo a livre circulação das águas. Com as chuvas, o nível do rio aumenta e com o material obstruindo os meios de escoamento do excesso de água, ocorrem as enchentes, que tiram o sono não só de Dona Marluce Dantas mas também de todos os moradores de áreas ribeirinhas.

Dona Luzinete Marcolino Bastos, mora na beira do rio entre as ruas Xavier Júnior e José Tavares. Como dona Marluce, ela, o marido e os filhos vivem apreensivos quando começa a chover. Mas a ação de limpeza surperficial que a Emlur está realizando no trecho do Jaguaribe que corta o Cristo e Cruz das Armas deixou Dona Luzinete mais tranqüila. “Já melhorou muito. Agora dá pra ver a vazão da água, mas infelizmente ainda tem muito morador que joga bicho morto e muito lixo dentro do rio, o que provoca mau cheiro e contribui com a poluição”, contou.

Para Dona Luzinete falta compreensão também por parte dos moradores, que mesmo vendo a ação da Prefeitura continuam jogando lixo dentro do rio. “Se as pessoas tivessem um pouco mais de sensibilidade não jogariam o lixo no rio e ainda ajudariam a limpá-lo. Num mundo em que falta água boa para beber, temos o Rio Jaguaribe que possuía um leito limpo e hoje está poluído por causa do lixo”.

De acordo com o superintendente Orlando Soares, a população também tem que fazer sua parte para ajudar a manter o Rio Jaguaribe limpo. “Os moradores das áreas ribeirinhas devem ser nossas parceiros nessa luta para manter o rio sem sujeira, prevenindo, com isso, as inundações em época de chuva. Eles são os mais beneficiados”, disse. A Emlur disponibiliza para a população um telefone 0800 083 2425 para reclamações, solicitações e informações.