Emlur garante que suspensão de licitação não prejudica limpeza da Capital

Por - em 26

“O serviço de limpeza urbana continuará no mesmo patamar que vem sendo realizado, independentemente da suspensão da licitação provocada por mais um ato equivocado da oposição na Câmara”. A afirmação é da superintende da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), Laura Farias, ao rebater as informações do vereador Severino Paiva (PSDB) de que a limpeza de João Pessoa ficaria prejudicada com a suspensão do processo licitatório para escolha das empresas que ficarão responsáveis por esse serviço.

Segundo a superintendente da Emlur, as afirmações feitas pelo vereador só visam causar terrorismo e não merecem credibilidade. “Mais uma vez ele usa a sua posição de parlamentar, o espaço que dispõe nos meios de comunicação e a própria tribuna da Câmara Municipal para disseminar informações infundadas e meter medo na população, não cumprindo assim o papel primordial de um parlamentar, que é defender o interesse do povo”, frisou.

Laura Farias ainda destacou que a série de denúncias sobre a limpeza urbana, que vem sendo orquestrada pelos vereadores da oposição, são infundadas. Ela informou que no governo atual cerca de 96% da população de João Pessoa passou a ser atendida pelo serviço de limpeza urbana, quando na gestão anterior esse percentual não chegava a 90%. “Outro passo importante que nós demos foi a quebra do monopólio na área de limpeza urbana. Antes, apenas a empresa Limp Fort era detentora de todo o serviço de limpeza urbana da Capital, mas esse trabalho foi dividido com a Líder, Emlur e a Marquise”, comentou.

A quebra de monopólio, conforme argumentou a superintendente, promoveu a melhoria e o barateamento do serviço. “Se levarmos em conta o valor que foi pago em 2004 (R$ 22.187.118,62) e acrescentarmos a ele o reajuste obrigatório de 7,12%, sem incluir a ampliação do serviço ocorrido na atual gestão e o aumento populacional que ocorre todos os anos, chegaremos a um montante de cerca de R$ 23.766.840. Esse valor é superior ao total de R$ 22.994.788,20, pago em 2006. Ou seja, mesmo com o reajuste, pagamos bem menos e por uma quantidade maior de serviço”, disse.