Emlur intensifica instalação de novas papeleiras na cidade

Por - em 26

Quem passeia por praças e vias públicas da cidade não imagina a importância das papeleiras que encontra pelo caminho. Pensando na comodidade da população, a Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) intensificou a instalação de novas papeleiras desde o ano passado. Em 2009, 377 papeleiras novas foram instaladas em praças e ruas de João Pessoa, 185 a mais que em 2008. As áreas mais contempladas com o aparelho foram o Centro da cidade e a orla marítima.

Neste início de ano já foram colocadas 17 papeleiras na rua Beaurepaire Rohan. Além desta, outras vias do Centro foram contempladas com o recipiente. Em dezembro de 2009 foram instaladas 18 papeleiras na rua 13 de Maio, oito na rua Santos Dumont, 10 na rua Padre Meira, 10 na rua Miguel Couto, sete na Praça 1817 e 11 na rua Visconde de Pelotas.

Na área central, um dos problemas detectados pela Emlur é o descarte de panfletos distribuídos, geralmente, nos sinais de trânsito. Muitas vezes, o usuário recebe o material e termina jogando no chão, ao invés de colocá-lo nas papeleiras espalhadas pelo local.

“Além de deixar a cidade feia, esse ato pode trazer grandes problemas, pois os papeis ficam acumulados nas linhas d’água e acabam obstruindo os bueiros, o que contribui para os alagamentos no período de chuva”, ressaltou o diretor de Operações, Orlando Soares.

As papeleiras são importantes instrumentos para a conservação da limpeza urbana, local seguro no qual a população pode acondicionar desde aquele papelzinho de chiclete até aquela embalagem de picolé quando percorre as vias públicas da cidade. Elas estão presentes nas 59 praças públicas de João Pessoa, além de avenidas, ruas e áreas de grande movimento. “A colocação das papeleiras é de extrema importância para manter a cidade limpa, pois conscientiza as pessoas a não colocarem pequenos resíduos no chão”, disse o superintendente da Emlur, Coriolano Coutinho.

Para o superintendente, o poder municipal faz sua parte com a instalação dos recipientes, mas cabe a população exercer sua cidadania, acondicionando corretamente o lixo produzido e não jogando o material nas vias públicas. Essa atitude traz grandes problemas para a cidade como sujeira, proliferação de animais causadores de doenças e até o entupimento de esgotos que transbordam em período de chuva.

Depredação – Apesar de importantes instrumentos para a manutenção da limpeza da cidade, as papeleiras continuam a ser um dos principais alvos de depredação de aparelhos públicos. Só no ano passado, a Autarquia recolocou 84 papeleiras, substituindo por novas as que foram danificadas, arrancadas e até queimadas.

A população deve ter zelo pelo patrimônio público, fiscalizando e denunciando os atos de vandalismo pelo ‘Alô Limpeza’, 0800 083 2425. É bom lembrar que esses bens públicos são adquiridos com impostos pagos pelos cidadãos e devem ser cuidados pela população.

Em bairros como Manaíra e Tambaú, por exemplo, 68 novas papeleiras foram instaladas no ano passado. Contudo, a destruição delas continua a ser o principal problema. Segundo Severino Ferreira, encarregado da recuperação de papeleiras da Emlur, os bairros com maiores problemas de vandalismo contra esse patrimônio público são Cruz das Armas, Mangabeira, além da área das praias. Segundo ele, nessa época do ano, quando acontecem os shows nos finais de semana, a incidência de destruição de papeleiras aumenta sensivelmente.