Emlur ministra palestra sobre coleta seletiva no 15º Batalhão

Por - em 43

A coleta seletiva está sendo implantada na sede do 15º Batalhão de Infantaria Motorizada, localizado em Cruz das Armas. O processo conta com a colaboração dos educadores ambientais da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) que, através de palestras, estão levando informações sobre separação do lixo, acondicionamento correto dos resíduos, reutilização de materiais, redução do consumo, entre outros temas.

Segundo informações do major José Nailson de Araújo, cerca de 700 militares integram o Batalhão e isso faz com que haja uma grande produção diária de lixo, sendo que grande parte desses resíduos poderia ser aproveitado através da reciclagem, mas acaba sendo desperdiçada. De acordo com ele, o processo de implantação está sendo bem aceito pelos militares. “Todo mundo tem que fazer a sua parte”, destacou.

Durante as palestras, os técnicos da Emlur estão fazendo uma abordagem sobre o lixo, coleta seletiva e reutilização de materiais. Os educadores explicaram aos militares que o “lixo só se torna lixo quando é depositado em um local inadequado’. Eles também levaram informações sobre composição do lixo e que os resíduos deixados em locais indevidos podem atrair vetores causadores de doenças. Outro conceito que foi apresentado durante a sensibilização foi o dos três ‘Rs’, que se constituem em reduzir o consumo, reutilizar os materiais e reciclar o que é utilizado.

A implantação da coleta seletiva no 15º Batalhão de Infantaria Motorizada está sendo realizada em cumprimento ao decreto nº 5.940 de 25 de outubro de 2006. Ele institui que a separação de resíduos recicláveis seja realizada em órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta.

Segundo o documento, as instituições deverão destinar os materiais recicláveis para associações e cooperativas de catadores desses materiais, sem fins lucrativos. Para receber os resíduos coletados, as associações devem ser constituídas formal e exclusivamente por catadores que tenham este trabalho como única fonte de renda. Devem possuir, ainda, infra-estrutura para realizar a triagem e a classificação dos resíduos e apresentar sistema de rateio entre seus integrantes.

Colaboração – A superintendente da Emlur, Laura Farias Gualberto, contou que a Autarquia, sempre que é convidada, ministra palestras sobre a coleta seletiva. “Já estivemos presentes em várias entidades estaduais e federais para colaborar com o processo de implantação da coleta seletiva. É muito gratificante saber que dirigentes têm a consciência de que é necessário fazer a separação dos resíduos como forma de preservar o meio ambiente e ainda gerar renda”, comentou.

O diretor Administrativo-financeiro da Emlur, Coriolano Coutinho, lembrou que a coleta seletiva está implantada dentro da Autarquia e agora será levada para os outros órgãos municipais da administração direta e indireta, através do projeto ‘Santo de casa faz milagre’. “Nós que fazemos a gestão municipal temos um compromisso com o meio ambiente e com as pessoas que vivem da venda de materiais recicláveis, por isso, sempre participamos de eventos e ministramos palestras para compartilhar a experiência que acumulamos com a coleta seletiva”, destacou.