Engenharia social: PMJP vai ajudar carentes a construir ou ampliar casas

Por - em 22

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP) vai oferecer assessoramento técnico gratuito, através de engenheiros e arquitetos, a pessoas de baixa renda que queiram construir ou fazer uma ampliação em residências, mas não têm um projeto para tanto e acabam recorrendo diretamente a um pedreiro sem a devida formação profissional.

Projeto piloto neste sentido está sendo discutido com representantes do setor de engenharia e arquitetura da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), Instituto dos Arquitetos do Brasil na Paraíba (IAB-PB), Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci), Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), Sindicato dos Engenheiros (Senge), Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea-PB), Secretaria da Transparência Pública (Setransp), Secretaria do Planejamento (Seplan) e Fundação Margarida Maria Alves.

Facilidades – A principal meta, além de garantir à comunidade um serviço gratuito, é oferecer todas as facilidades para a elaboração dos projetos arquitetônicos de tipologia individual, bem como assessoramento na montagem de orçamentos segundo especificação técnica adequada; ajuda na opção pela capacitação técnica construtiva escolhida, no acompanhamento da obra e a regularização dos mesmos perante os órgãos fiscalizadores como Crea-PB e PMJP, por exemplo, são alguns dos aspectos.

A secretária de Habitação Social (Semhab), Emília Correia Lima, disse que a implantação desse serviço de assessoramento por parte de profissionais da arquitetura e engenharia a construções de pessoas de baixa renda vai mudar a cara da cidade. “Além de se manter atualizado o cadastro imobiliário do município, deverá criar uma cultura quanto à contratação de profissionais habilitados para projeto e execução de obras de engenharia, mesmo nas de pequeno porte”, explicou.

Com a implantação desse serviço, o Governo Municipal evitará o surgimento de novas construções com baixo padrão de acabamento, seguindo-se os parâmetros da racionalidade e conforto ambiental, com elaboração de projetos e acompanhamento das obras por profissional legalmente habilitado, com as devidas anotações de responsabilidade técnica.