Escola de Cabedelo conhece trabalho de educação ambiental da Emlur

Por - em 27

Para aperfeiçoar o trabalho de preservação do meio ambiente que desenvolvem em comunidades e em áreas de mangue e mata, os alunos da Escola Municipal Marizelda Lira, localizada em Cabedelo, visitaram na manhã desta quarta-feira (14) a sede da Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur). Os garotos participaram de uma palestra sobre educação ambiental, conheceram o trabalho desenvolvido pela Oficina de Artes e ainda puderam conferir uma apresentação do grupo de percussão da Emlur, o ‘Baticumlata’.

A coordenadora pedagógica da instituição de ensino, Zenilda Moreira, disse que essa foi a primeira vez que a sede da Emlur foi visitada pela escola. “Essa visita foi maravilhosa, porque tivemos a oportunidade de aprender como preservar o meio ambiente”, comentou. “Conhecer o trabalho da Oficina de Arte é muito importante, pois nós nos preocupamos muito com o meio ambiente e, principalmente, com o lixo que é produzido diariamente na nossa cidade”, destacou.

Segundo contou a educadora, a escola está localizada entre o mangue, a mata e a praia. “Por isso temos um cuidado especial em preservar e reciclar. Fazemos atividades de conscientização e limpeza no mangue, praia e na mata. As pessoas pensam que, por ser mangue, não tem problema em jogar lixo, mas é dali que se retira o sustento de muitas famílias que sobrevivem da pesca”, argumentou.

No dia 30 novembro, a escola realizará uma exposição, aberta para a comunidade, com trabalhos desenvolvidos pelos alunos nas áreas de meio ambiente, saúde e preservação. “Essa visita de hoje irá nos ajudar a melhorar nossos projetos em relação ao meio ambiente e, principalmente, a separação do lixo, reciclagem e confecção de objetos decorativos e de artes”, frisou a coordenadora pedagógica.

A aluna da 8ª série Deyse Henrique, 14 anos, revelou que estava muito feliz em visitar a Emlur e conhecer pessoalmente o trabalho que a Autarquia desenvolve. “Eu conhecia os projetos desenvolvidos em João Pessoa pelo rádio, jornal e tevê. Na escola, fazemos ações de limpeza diariamente e também no mangue, praia e na mata”, contou. A garota disse que na escola procura passar para os amigos e também para a população a importância de preservar a natureza, não jogando lixo nas ruas, nos esgotos, no mar e pelas janelas dos ônibus.

A adolescente disse que ficou “maravilhada” com o trabalho que é desenvolvido pelos artesãos e artistas plásticos da Oficina de Artes da Emlur. “A transformação de objetos feitos do lixo é magnífica. Eu já faço peças de palito de picolé, como uma casa de primeiro andar e uma guarita de salva-vidas. Na verdade, tento contribuir em diversos aspectos com orientação à população, ações e palestras educativas. Na minha casa, meus pais já fazem a separação do lixo, só assim podemos ajudar a melhorar o meio ambiente e a nossa saúde”, frisou.