Escolas do município participam de Festival de Teatro do Estudante

Por - em 24

Nove escolas da rede municipal de ensino de João Pessoa irão participar do XX Festival de Teatro do Estudante promovido pelo Núcleo de Teatro Universitário (NTU) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). O evento acontece a partir desta sexta-feira (21) e vai até o dia 30 no Teatro Lima Penante. As apresentações terão início às 14h.

A escola municipal Pe. Pedro Serrão, localizada no bairro do Cristo, irá apresentar o espetáculo intitulado: “Poesia na Escola e na Vida”. A peça foi criada e desenvolvida nas aulas de Artes Cênicas pelos alunos do 5º ano, dentro da proposta pedagógica que envolveu o estudo da poesia “Varadouro” de Políbio Alves; a história da fundação de João Pessoa; aspectos relacionados ao meio ambiente e preservação do Rio Sanhauá; além de expressão corporal e exercícios de teatro. A temática surgiu a partir do lançamento do projeto Ano Cultural Políbio Alves da Prefeitura Municipal de João Pessoa, que este ano além do poeta, homenageou também Zezita Matos, abrindo assim mais um espaço para o teatro escolar.

“Estou muito feliz de poder representar a minha escola como atriz de teatro. Já estivemos no Teatro Ednaldo do Egito e agora com a mesma peça vamos nos apresentar no Lima Penante. Isso é muito legal”, disse a aluna Diullian Ferreira, de 10 anos, que é atriz e autora da peça.

A coordenação dos trabalhos cênicos da escola está sob a responsabilidade da professora Eliete Matias que não esconde a ansiedade de ver os alunos se apresentarem. “A arte na escola é de suma importância para promover o protagonismo de nossos alunos, revelando as habilidades e capacidades individuais e coletivas. Sinto-me feliz quando vejo eles produzindo e atuando no teatro”, ressalta Eliete.

A peça – O espetáculo retrata de forma simples o cotidiano de cinco estudantes que moram no bairro Varadouro, próximo ao Rio Sanhauá. A partir de uma aula de história, da poesia de Políbio Alves e de conversas com um velho índio, elas começam a perceber quão importante é o Rio Sanhauá e o lugar onde nasceram e viveram. Entre brincadeiras, risos e peripécias, as crianças vão encontrando a sua identidade, descobrindo o valor da escola e da pesquisa.  É um mergulho poético na história da fundação de João Pessoa, através da visão de um índio Potiguara, das crianças e do poeta Políbio Alves.