Estação Cabo Branco abre exposição para comemorar os 428 anos da Capital

Por - em 214

Para comemorar os 428 anos da cidade João Pessoa, a Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano, abre, nesta sexta-feira (2), 19h, a exposição “Caleidoscópio”, de autoria do artista plástico e arquiteto Jonas Lourenço. A exposição pode ser vista no primeiro pavimento da Torre Mirante visitada, de terça a sexta-feira, de 9h até 21h, sábados, domingos e feriado das 10h até 21h. A entrada é gratuita.

Com o uso ora de uma câmera fotográfica, ora de um aparelho celular, Jonas Lourenço produz suas fotografias nesse intervalo. Um olhar sobre o urbano, o antigo e as pessoas da cidade. Para além da ideia de colocação da obra dentro do espaço construído ou em relação ao mesmo, o artista fustiga a estrutura arquitetônica com suas enormes e mínimas formas que, ao mesmo tempo, ressaltam e desconstroem o rigor artístico. Propõem paradoxos para o olhar.

A curadora geral da Estação Cabo Branco, Lúcia França, comenta que a exposição é impulsionada pela valorização do patrimônio e da paisagem urbana e que Jonas Lourenço nos apresenta um conjunto de imagens que se sobrepõem no espaço e no tempo. Cenas caleidoscópicas de uma cidade mutante, puro acolhimento aos que aportam nas litorâneas paisagens. As cores da cidade transfiguradas nos espaços da memória, histórias já esquecidas outras muitas vezes lembradas, são apreendidas pelo olhar perspicaz do artista em suas pinturas e agora em seus ensaios fotográficos.

“As imagens recriadas estabelecem leituras espaciais nas quais as transparências fluídas são incorporadas na formalização e identificação visual, redimensionando assim o fazer artístico e a arquitetura desta centenária cidade”, explicou Lúcia França.

O trabalho de Jonas Lourenço aproxima-se à linha de produção de artistas que, a partir do século XX, passam a pensar a intervenção no espaço urbano e, em especial, nas suas edificações como comentário/pontuação daquilo que o habitante da cidade passa a naturalizar, ver como algo que sempre esteve ali e que é assim porque tem que ser – marca da paisagem urbana na fotografia.

Jonas instala suas fotografias e seus objetos, suas “Estruturas Voláteis” sob a Estação Cabo Branco. A paisagem se transforma. As fotografias de João Pessoa tomam conta do espaço explorando a cor como uma marca que transforma a paisagem vista a partir de uma janela. Começamos a perceber que ela tem muito a dizer ao espaço do “arquitetoartista”. Ela é cúmplice e crítica dos vazios generosos e, muitas vezes, áridos dos prédios-esculturas.

O que nos faz pensar na relação das intervenções nas áreas que circundam as edificações de um estilo de arquitetura que se filia (não sem muitos problemas) às postulações da Carta de Atenas, naquilo que determina a sua implantação. A ideia de fazer a cidade “respirar” com os espaços abertos em torno dos prédios tem gerado inúmeras discussões nesses quase 100 anos da escritura do documento. Uma das questões que é recorrente diz respeito a como se dá essa ocupação pelos seus destinatários: os moradores da cidade e seus visitantes.

Caleidoscópio – É um aparelho óptico formado por um pequeno tubo de cartão ou de metal, com pequenos fragmentos de vidro colorido, que, através do reflexo da luz exterior em pequenos espelhos inclinados, apresentam, a cada movimento, combinações variadas e agradáveis de efeito visual.

O nome “caleidoscópio” deriva das palavras gregas καλός (kalos), “belo, bonito”, είδος (eidos), “imagem, figura”, e σκοπέω (scopeο), “olhar (para), observar”. O caleidoscópio foi inventado na Inglaterra, em 1817 pelo físico escocês Dawid Brewster (1781-1868). Cerca de 12 ou 16 meses mais tarde ele despertava a admiração universal. Afirma-se que o caleidoscópio já era conhecido no século XVII. Conta-se que, na época, um rico francês adquiriu um caleidoscópio por 20.000 francos. Era feito com pérolas e gemas preciosas ao invés de pedaços de vidro colorido.

Atualmente o caleidoscópio é formado por um pequeno tubo, no fundo do qual há pedaços coloridos de vidro ou de outro material e três espelhos dispostos de tal forma que, ao se movimentar o tubo, visualizam-se diferentes figuras coloridas em imagens multiplicadas que se formam em arranjos simétricos.

Sobre Jonas Lourenço – Desde cedo Jonas Lourenço pintava, desenhava e esculpia. Nascido no Rio de Janeiro sempre teve paixão pelas artes, vindo a desenvolver cursos de música e teatro. Radicado na Paraíba, estudou Psicologia e em seguida Arquitetura, onde exerce a profissão em paralelo às artes plásticas. Ainda estudante de Arquitetura, fez pesquisas acadêmicas sobre cores, pigmentos naturais e tintas.

Formado há 16 anos, carrega na bagagem grandes projetos de Arquitetura voltados para o meio ambiente. Foi autor do projeto do Jardim Botânico de João Pessoa, foi também autor do projeto paisagístico do Parque do Róger, antigo lixão da Cidade, que causou grandes transformações urbanísticas na região. Em 1996 percorreu a Espanha, Itália e França, onde descobriu novas soluções de projetos e materiais alternativos. Em 2007 percorreu novos caminhos em Paris, Londres e Amsterdã desenvolvendo um acervo de materiais para estudos e esboços que serviram de base para novos trabalhos.

Em 2009, participou da exposição de pintura para inauguração da Estação Ciência, vindo a fazer, em 2010, uma exposição individual, intitulada Filipéia. Possui no currículo diversas exposições em que investiga sempre a relação da Arquitetura com as artes visuais.

Atualmente desenvolve novos caminhos para seus trabalhos de arte, desconstruindo, reconstruindo, expandindo seus horizontes através da pintura e da fotografia contemporânea. Jonas Lourenço é professor de Arquitetura e Design, e criador do programa Contemporâneo, na RCTV, onde, semanalmente, leva informações sobre arte e Arquitetura aos telespectadores.

Serviço:

Exposição “Caleidoscópio”

Expositor: Jonas Lourenço

Abertura: sexta-feira (2)

Hora: 19h

Local: Primeiro pavimento da Torre Mirante

Horário de visitação: Terça a sexta-feira, de 9h até 21h, sábados, domingos e feriado das 10h até 21h.

Entrada é gratuita

Fones: 3214.8270 – 3214.8303

www.joaopessoa.pb.gov.br/estacaocb

Facebook: https://www.facebook.com/estacao.cabobranco

Twitter: @estacaocb

 

Contato para a imprensa:

Lúcia França – Curadora Geral da Estação

Fone: 9951-8655

Email: luciafranca1001@gmail.com

Jonas Lourenço (artista)

Fone: (83) 9342-4023/ 8614-8407

Email: lourencoarquitetura@gmail.com