Mais uma escultura de Abelardo da Hora é instalada no local

Por - em 109

Mais uma escultura do artista plástico pernambucano Abelardo da Hora foi instalada nesta quinta-feira (9) na Estação Cabo Branco Ciência – Cultura e Artes, no Altiplano. A obra intitulada “Mulher Reclinada III” foi esculpida e idealizada pelo artista no ano de 1999. A escultura é de bronze platinado e ficará exposta no jardim da Estação, localizada entre o prédio administrativo e o anfiteatro.

“Mulher Reclinada III”, que tem 1,25 de altura, 2,25 de comprimento, 0,65 de comprimento e pesa 300 quilos, faz parte agora da coleção de obras permanentes da Estação Cabo Branco adquiridas pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) para compor o acervo artístico e cultural da casa.

Além dela, mais duas obras de Abelardo da Hora estão instaladas no espelho d´água, na parte inferior da Torre Mirante. São: ‘A mulher na rede’, com 1,40 altura, 2,60 de comprimento, 430 quilos e largura de 0,90 metros, e ‘Mulher de pernas dobradas’, que possui 1,20 metros de altura, 2,0 de comprimento, com largura de 0,80 centímetros e 410 quilos.

“Ate o final de setembro está programada a entrega de mais três novas esculturas de Abelardo da Hora”, disse a vice-diretora e curadora Lúcia França.

A história da Estação Cabo Branco com Abelardo começou com a exposição ‘Amor e Solidariedade’ no ano passado, quando reuniu um conjunto de 130 obras do artista. Com a aceitação do público e a combinação perfeita entre as obras de Abelardo com o desenho de Oscar Niemeyer a gestão da Estação e a prefeitura resolveram adquirir algumas obras de Abelardo da Hora.

O artista – Abelardo da Hora nasceu em 1924 em São Lourenço da Mata (PE). Formado pela Escola de Belas Artes do Recife, conviveu com nomes como Vicente do Rêgo Monteiro e Hélio Feijó. Vanguardista, foi um dos fundadores da Sociedade de Arte Moderna do Recife e um dos precursores da arte cinética no país. É mestre de toda uma geração de artistas pernambucanos de renome, partindo de Francisco Brennand até José Cláudio, Corbiniano Lins, Guita Scharifker, Gilvan Samico e Wellington Virgolino.

As obras de Abelardo da Hora estão espalhadas por todo o mundo: China, França, Estados Unidos, Suíça, Rússia e na antiga Tchecoslováquia. No Brasil, integra os acervos do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, Museu do Solar do Unhão na Bahia, Masp (Coleção Pietro Maria Bardi), Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (Mac/Usp), Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam) do Recife e em inúmeras coleções particulares.

Todos os países da Europa, além da Mongólia, Argentina, Canadá e EUA já receberam suas obras em exposições individuais e coletivas. Diversas vezes premiado em Salões de Artes Plásticas em todo o país, desde a década de 50 é delegado em Pernambuco da Secção Brasileira da Internacional de Artes Plásticas ligada à Unesco, além de ser um dos fundadores da Associação Brasileira de Escritores (ABDE) em Pernambuco.

CONTATO PARA IMPRENSA

Lúcia França – Vice-diretora e Curadora da Estação Cabo Branco

Fone: 8708.9445 – 9985.2725