Estação Cabo Branco projeta JP para o mundo e o futuro

Por - em 24

Os traços de Oscar Niemayer traduzidos em uma obra que vai projetar João Pessoa para o mundo e o futuro. A Estação Cabo Branco foi inaugurada pelo prefeito Ricardo Coutinho (PSB), na tarde desta quinta-feira (3), e contou com a presença do ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende. O equipamento está situado no ponto mais oriental das Américas e será um espaço voltado para a produção do conhecimento e da cultura.

A solenidade de inauguração aconteceu no auditório do complexo arquitetônico e foi prestigiada por autoridades políticas e religiosas, empresários e artistas. O público acompanhou tudo no lado externo do auditório, através de telões espalhados pela área. O auditório tem espaço para 501 pessoas.

“Aqui passado e futuro se encontram”, disse o prefeito, referindo-se à obra que alia o espaço visto como patrimônio natural da cidade com o equipamento que vai proporcionar atividades que integrem ciência, cultura, arte e educação.

Além disso, ele ressaltou que a Estação vai revitalizar a Ponta do Cabo Branco, fazendo com que o local receba uma obra que lhe confira a projeção merecida. “Estamos revitalizando o espaço que é a principal referência da Paraíba e antes estava sendo ocupada como pista de vaquejada e corrida de kart”, lembrou.

Agradecimento – O prefeito fez alguns agradecimentos especiais durante a cerimônia. Ele ressaltou o trabalho dos cerca de 700 operários que executaram os serviços da obra e o empenho do senador José Maranhão (PMDB) que conseguiu parte dos recursos, através de emendas parlamentares.

Ricardo Coutinho agradeceu ainda a contribuição do arquiteto e ex-secretário de Planejamento do Município, Luciano Agra, e fez questão de elogiar a postura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o seu empenho para realizar a obra. “Ele compreendeu como poucos o passo importante que o País precisa dar para poder crescer: apoiando a ciência e a tecnologia”, comentou.

Audácia – O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Resende, falou do seu entusiasmo ao participar da inauguração da Estação Cabo Branco, que para ele é vista com “um profundo sentimento de deslumbramento” e que ele classificou como audácia. “É preciso ser um administrador exemplar para gerir uma obra como essa. Uma obra que vai projetar a Paraíba nacionalmente e internacionalmente”, frisou.

Resende, que tem familiares paraibanos, disse que freqüentemente vem a João Pessoa e falou sobre as mudanças que vêm sendo implantadas na cidade, nos últimos anos. “Além de estar pavimentando ruas e avenidas, e construindo casas e obras que beneficiam diretamente a vida da população, a Prefeitura está erguendo pontes para o futuro”, observou.

Obra – A Estação Cabo Branco está construída em uma área de 8.571 metros quadrados, no bairro do Altiplano, que fica no entorno do ponto mais oriental das Américas. A obra foi construída em aproximadamente 11 meses e o valor do investimento foi de R$ 33,5 milhões, financiados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia.

A solenidade de abertura contou ainda com um concerto da orquestra de Câmara do Município, sob a regência do maestro Gustavo Paco de Gea. A cantora Eleonora Falcone acompanhou os músicos e juntos eles interpretaram um repertório que uniu músicas eruditas e populares. A orquestra fez também a apresentação do Hino Nacional.

Painel – Após a solenidade, os convidados seguiram para o hall, onde está localizado o painel ‘O Reinado do Sol’, criado pelo artista plástico paraibano Flávio Tavares. A obra foi criada especialmente para a Estação Cabo Branco e possui nove metros de comprimento, por três metros de altura. O painel recebeu às bênçãos do arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto.

Segundo o artista, o trabalho retrata o fantástico extraído do real, em uma espécie de aventura encantada, mostrando em ricas alegorias a história da fundação da Capital e a conquista da Paraíba. Flávio Tavares levou cerca de dois meses para concluir a obra.