Estação Ciência será entregue à população no dia 3 de julho

Por - em 24

Os traços do arquiteto Oscar Niemeyer ganharam formas de concreto e a Estação Ciência, Cultura e Artes está pronta. As instalações do complexo arquitetônico localizado no Altiplano Cabo Branco e projetado para apoiar e difundir atividades científicas, artísticas e culturais em João Pessoa serão inauguradas pelo Governo Municipal no dia 3 de julho, às 17h. O evento será marcado por diversas manifestações culturais.

A Estação Ciência, Cultura e Artes concentra mais de 8.571 metros quadrados de área construída e vai ocupar o núcleo da Zona Especial de Preservação – Parque do Cabo Branco. No entorno da extremidade mais oriental das Américas, o equipamento vai configurar-se no coração de uma área verde que ainda guarda resquícios de Mata Atlântica. A iniciativa do Governo Municipal foi de dispor de uma estrutura funcional, sem desperdiçar o cenário natural do Cabo Branco que é considerado patrimônio geográfico, histórico e cultural pela população pessoense.

O equipamento que tem como objetivo ampliar conhecimentos é também um forte componente para potencializar o turismo cultural e de eventos, projetando a cidade de João Pessoa para o mundo. Para o prefeito Ricardo Coutinho (PSB), muito mais que um cartão-postal a Estação Ciência é um espaço voltado para o bem comum e para o desenvolvimento da educação. “É um lugar de inclusão social que coloca João Pessoa em situação privilegiada”. Ele lembra que o complexo arquitetônico que está apto a receber 500 visitantes por dia vai beneficiar, principalmente, os 65 mil alunos da rede municipal de ensino.

A estrutura
– Uma torre/mirante configura-se como a principal das cinco edificações que compõem a Estação Ciência, Cultura e Artes. Constituída de dois pavimentos suspensos apoiados em base única, ela concentra uma estação científica, hall de exposições permanentes e temporárias, um restaurante, café e terraço panorâmico com visão de 360 graus para toda a natureza que a cerca.

Com capacidade para 501 pessoas, o auditório também ocupa lugar destacado dentro do complexo arquitetônico. Dispondo de acesso independente, o local está destinado à realização de eventos culturais variados, sem interferir em outras atividades da área. Para programações em espaço aberto, foi projetado um anfiteatro com palco, camarim e banheiros. Acomoda um público de 300 pessoas sentadas, podendo atingir o dobro dessa capacidade com a ocupação das calçadas.

Na parte posterior do terreno, uma edificação simples tem a finalidade de acomodar uma ala de serviços. Neste espaço deverão funcionar uma loja para souvenir e lanchonete. O projeto ainda concentra um bloco destinado à administração e manutenção do complexo, além de área para estacionamento.

Conhecendo a Estação Ciência, Cultura e Artes

Área construída: 8.571 metros quadrados
Localização: Altiplano Cabo Branco
Valor da obra: 33,5 milhões
Órgão financiador: Ministério da Ciência e Tecnologia
Arquiteto: Oscar Niemeyer

Complexo arquitetônico:

Torre/mirante – Com dois pavimentos superiores e terraço panorâmico, o edifício está sobre um espelho d’água. Dispõe de salas audiovisuais, área para exposições permanentes e temporárias, café e restaurante.

Auditório – Tem capacidade para 501 pessoas e duas salas para convenções com 200 lugares, além de um conjunto de salas especiais para a formação artístico-cultural de alunos da rede pública.

Anfiteatro – Projetado para acomodar 300 pessoas sentadas.

Loja e lanchonete – Espaço de apoio aos visitantes, com loja de souvenir e lanches.
Serviços gerais – Bloco na parte posterior do terreno, que serve de apoio à administração e manutenção do conjunto.

Estacionamento – São 198 vagas para veículos, além de área específica para ônibus.