Estações Digitais capacitam 2.366 alunos em João Pessoa

Por - em 40

“Se não fosse esse curso, eu nunca aprenderia a mexer no computador”. A declaração é da adolescente Isabel Cristina Santos, de 16 anos, uma das alunas do curso básico de informática oferecido pela Estação Digital que funciona no Centro de Referência da Juventude Ilma Suzete Gama, no bairro dos Funcionários I. Isabel é uma das 920 pessoas atendidas atualmente pelo projeto, que conta com 25 Estações Digitais espalhadas em 22 bairros da cidade. As Estações já capacitaram 2.366 pessoas.

A inclusão de jovens e adultos pessoenses no mundo virtual é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de João Pessoa (PMJP) e do Governo Federal, através dos Ministérios da Ciência e Tecnologia e das Comunicações.

O projeto, implantado na capital em abril de 2007, já habilitou 2.366 jovens e adultos, para disputar “de igual para igual” o concorrido mercado de trabalho, como destacou o estudante Benjamin Rodrigo de Freitas. “Essa é a primeira vez que tive a oportunidade de manusear um teclado, ficar na frente de um computador. No momento estou desempregado e não teria condições financeiras de fazer um curso de informática pago. Sou muito grato, pois estou aprendendo muita coisa e, quando eu terminar, voltarei ao mercado de trabalho”, planeja o aluno.

De acordo com o instrutor Diego Christenson, um curso básico de computação custa, em média, R$ 230, valor que não condiz com a realidade financeira da maioria dos alunos que frequenta as Estações. “Nas turmas que dou aula, eram poucos os alunos que tinham acesso ao computador. Alguns até frequentavam as lan-houses, mas apenas para entrar na internet, sem nenhuma noção para quê aquelas ferramentas serviam. Nos cursos das Estações Digitais, todo o material é gratuito e o certificado é reconhecido. Agora, eles podem disputar com qualquer pessoa uma vaga no mercado de trabalho”, garantiu o instrutor.

Webdesign – Além do curso completo do módulo básico em todas as Estações, a prefeitura já formou uma turma com a qualificação em Webdesigner. Foram 16 pessoas que concluíram no mês de julho, na Estação Digital que funciona no Centro de Referência de Assistência Social (Cras), na Ilha do Bispo. No mesmo local, já foram iniciadas duas novas turmas, cada uma com dez alunos.

Segundo o Chefe da Divisão de Inclusão Digital, José Isidro Alves, setor vinculado a Secretaria Executiva de Ciência e Tecnologia (Secitec), a meta é expandir este curso para as demais unidades. “Nos estamos estudando a possibilidade de abranger para todos os bairros com o curso de Webdesigner. Sabemos da importância das Estações Digitais para esses jovens. Aqui, eles encontram um espaço para estudo, fazem um curso, recebem o certificado e se tornam competitivos para o mercado de trabalho. Um exemplo disso são os vários alunos que hoje estão empregados”, ressaltou José Isidro.

Unidades – A prefeitura de João Pessoa mantém atualmente 25 estações abertas ao público nos seguintes bairros: Valentina (duas estações); Mangabeira (duas estações); Funcionários I e II; Cruz das Armas; Bancários; Expedicionários; Ipês; Mandacaru; Róger; Alto do Mateus; Jardim Veneza; Altiplano (Clube da Pessoa Idosa); Varadouro ( sendo uma unidade no Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e outra na Estação da Moda); Ilha do Bispo; São José; Manaíra; Gramame; Rangel; Cristo; Estados (Instituto dos Cegos); e Jaguaribe ( na Praça Bela Vista). Desse total, 12 unidades funcionam nos três turnos. Em cada período do dia, tem duas turmas com dez alunos matriculados.

Os cursos têm carga horária de 60/horas, ou seja, cinco horas por semana, o que contabiliza em média três meses. Hoje, a Prefeitura tem 920 alunos que vão concluir seus cursos no fim deste mês de setembro.

Os interessados em fazer os cursos devem ficar atentos ao período de inscrição. No início do próximo mês de outubro, os Centros de Referência da Cidadania e os da Juventude, localizados em vários bairros da cidade, começam a fazer o cadastro para formar turmas. Em alguns locais, a procura é tanta que já existe lista de espera. “Já estamos com 95% dos atuais cursos encerrando. Depois de concluído tudo, vamos promover uma capacitação para os instrutores, como sempre acontece, pois estamos preocupados com a prática pedagógica”, destacou o chefe da Divisão de Inclusão Digital. Todos os cursos são gratuitos, assim como o material didático disponibilizados.

Acesso livre – Além do curso básico de computação, as unidades oferecem acesso livre ao público. “Cada usuário tem cerca de trinta minutos para utilizar o computador para atividades como pesquisa, trabalho escolar, digitação de curriculum, criar e-mail ou navegar na internet. Se necessário, esse tempo é renovado automaticamente. Dessa maneira, as Estações Digitais atingem o objetivo para que foram criadas: possibilitar a inclusão digital de todos. Por mês, em cada Estação, temos em média 1,2 mil pessoas utilizando os nossos computadores”, informou José Isidro.