Evento vai orientar trabalhadora doméstica sobre formação política

Por - em 19

Um Encontro de Formação Política destinado a orientar trabalhadoras domésticas é o evento que ocorre no próximo domingo (3 de maio), no Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações da Paraíba (Sintell-PB), localizado à Rua Rodrigues de Aquino, no Centro de João Pessoa. O debate integra as comemorações do ‘Dia Nacional das Trabalhadoras Domésticas’, celebrado a 27 de abril, e acontece das 9h às 17h30, naquela entidade.

A promoção é da Prefeitura de João Pessoa (PMJP), numa atividade de sua Coordenadoria de Políticas de Políticas Públicas para Mulheres (CPPM), em parceria com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Comissão de Reorganização as Trabalhadoras Domésticas.

De acordo com a coordenação do evento, o objetivo é apoiar e fortalecer a Comissão de Reorganização das Trabalhadoras Domésticas na Grande João Pessoa, que está se articulando no sentido de criar um instrumento de organização política para a categoria. O debate é direcionado às mulheres atendidas pelo Programa Trabalho Doméstico Cidadão, executado pela Coordenadoria das Mulheres e a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes).

Na programação está prevista discussão sobre ‘A organização política das trabalhadoras domésticas: caminhos, conquistas e desafios’, além e trabalho em grupo e encaminhamentos da agenda de atividades e articulações da Comissão de Reorganização das Trabalhadoras Domésticas. Está confirmada a presença da presidenta do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de Pernambuco, Eunice do Monte; do secretário da CUT, Paulo Marcelo de Lima, mais a representante da Associação das Trabalhadoras Domésticas de Campina Grande, Maria Madalena de Medeiros.

“Nossa proposta é proporcionar as trabalhadoras a oportunidade de conhecer e refletir sobre a organização da categoria em outros Estados e Municípios, além de ser um espaço para construir uma rede de apoiadores e apoiadoras para a reorganização das trabalhadoras domésticas”, observou Lúcia Silva, assessora de Trabalho e Enfrentamento a Pobreza da Coordenadoria das Mulheres.

A profissão de empregada doméstica foi reconhecida pela Lei 5.859, de 11 de dezembro de 1972, que considera trabalho doméstico os serviços prestados de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família no âmbito residencial. No Brasil, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (2005), entre as mais de 124 mil trabalhadoras domésticas, 16 mil moravam na residência de trabalhavam e 11,6% delas trabalhavam por mais de 10 anos no mesmo local.